Após adotar criptomoeda, El Salvador adia lançamento de títulos de Bitcoin

Os títulos de Bitcoin ou “títulos de vulcão” (volcano bonds, em inglês) de El Salvador que estavam previstos para serem colocados em circulação no dia 20 de março ainda não foram lançados. O ministro das Finanças, Alejandro Zelaya, disse que o país ainda está aguardando o momento certo para fazer isso. O país da América Central adotou oficialmente o Bitcoin como moeda de curso legal em setembro de 2021.

Segundo Zelaya, o país havia estimado o lançamento de US$ 1 bilhão (R$ 5 bilhões) em títulos da criptomoeda entre os dias 15 e 20 de março. O ministro também ressaltou que a situação política instável do mundo poderia influenciar o cronograma planejado.

Segundo o The Block, o ministro disse que o lançamento poderia acontecer entre março e abril, devido às condições do mercado. Outro detalhe que pode ter atrasado o lançamento, é que diversos fatores essenciais para o lançamento dos títulos de Bitcoin ainda estavam pendentes.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Até poucos dias atrás, as autoridades do país ainda não haviam finalizado a estrutura legal necessária para receber uma das plataformas envolvidas no projeto, a Bitfinex Securities, por exemplo.

Além disso, Zelaya disse recentemente em uma entrevista a um programa local que o país estava “pronto para fazer isso” e acrescentou que o El Salvador estava apenas aguardando a aprovação do presidente, Nayib Bukele. Porém não se sabe ainda a data exata para o lançamento pendente.

A ideia de uma “cidade Bitcoin” em forma de moeda localizada na base do vulcão Conchagua, foi apresentada pela primeira vez em novembro de 2021 pelo presidente do El Salvador, Nayib Bukele.

O país tem como objetivo captar cerca de US$ 1 bilhão com os títulos, que pagarão juros de 6,5% ao ano, com metade deste valor senso revertido para a construção da “cidade Bitcoin”, que terá uma série de isenções fiscais e uma rede de eletricidade gerada por meio da energia do vulcão.

A “cidade do Bitcoin” contará com isenções fiscais e energia gerada pelo vulcão Conchagua (Imagem: Reprodução/Canaltech/Captura de tela)

Enquanto isso, os outros US$ 500 milhões (R$ 2,4 bilhões) serão destinados para comprar Bitcoins que servirão como reserva financeira do país, com os lucros distribuídos aos investidores dos títulos por meio de dividendos extras.

Os títulos de Bitcoins serão lançados na Liquid, blockchain paralelo da Blockstream — que também não deu uma previsão de lançamento para o EBB1 ou El Salvador Bitcoin Bond 1, nome técnico dado aos “títulos de vulcão”.

“O EBB1 será apenas emitido na rede Liquid, que é operada por membros geograficamente distribuídos em todo o mundo. A Blockstream atua somente como provedora de tecnologia. Então, sempre que estiverem prontos, eles serão capazes de emitir os bonds na Liquid sem depender de nós”, disse o diretor de marketing da Blockstream, Fernando Nikolić.

Segundo o ex-chefe de estratégia da Blockstream, Samsom Mow, os títulos já receberam US$ 300 milhões (R$ 1,5 bilhão) em “compromissos de compra” — representando uma demanda alta no mercado.

Fonte: CointelegraphMoneytimes

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também