Após minerar sozinho bloco de Ethereum, entusiasta lucra R$ 2,5 milhões

O processo de mineração de criptomoedas geralmente demanda muita dedicação para transformar qualquer usuário em um milionário. Mas, em certos casos, alguém pode dar sorte e descobrir um bloco inteiro inédito de criptomoedas — como ocorreu com uma pessoa que, minerando Ethereum (ETH) conseguiu descobrir um dos blocos da rede, lucrando 170 Ether (ETH), o que corresponde a cerca de R$ 2,6 milhões na cotação atual.

O caso é parecido com outra situação ocorrida no começo de janeiro com um minerador de Bitcoin (BTC), que também descobriu sozinho um bloco e ganhou uma recompensa milionário. Porém ,diferente do sortudo do BTC, o do ETH contava com uma máquina potente, com taxa de hash de cerca de 1,85 GH/s, algo equivale ao poder computacional de 20 placas gráficas (GPU) modernas.

Suas operações eram feitas a partir do 2Miners, rede que reúne entusiastas de ativos digitais para realizar a mineração de ETH com frequência.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Além da sorte do minerador, o valor da recompensa também impressiona. No ETH, a descoberta de novos blocos pode gerar premiações diferentes a depender do tamanho do achado, com a média sendo de 4 ETH (cerca de R$ 52 mil). Mas no caso recente, o bloco era algo tão único que a recompensa acabou aumentando para 170 ETH, quase 420% a mais do que a quantia normalmente esperada nessa atividade.

Ganhos com mineração de Ethereum pode estar próximo

Mineração de Ethereum pode sofrer mudanças em breve. (Imagem: Divulgação/SSU)

Ganhos pela descoberta de novos blocos na rede do ETH podem estar próximos de acabar, já que o s controladores da blockchain responsável pela criptomoeda estão no processo para modificar a mineração dos ativos digitais para o modelo de Prova de Participação (PoS), em que em vez de usar poder computacional para realizar a tarefa, é usado a quantidade de criptomoedas que o usuário possui para verificar sua taxa de hash.

Visto como uma alternativa de energia limpa, a mineração por PoS pode acabar dificultando que novos mineradores consigam acesso aos ativos digitais, por consequência também dificultando acontecimentos como o narrado acima.

Fonte: CriptoFácil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também