Apple vai permitir pagamentos no iOS por fora da App Store na Coreia do Sul

A Apple será obrigada a aceitar que desenvolvedores usem sistema de pagamentos alternativos à App Store em aplicativos na Coreia do Sul. A novidade não virá de livre e espontânea vontade, mas, sim, de uma nova lei do país que torna obrigatória a flexibilização da rígida política da companhia.

De acordo com o The Korea Herald, a gigante de Cupertino já teria acordado com a Comissão de Comunicações da Coreia (KCC) os planos para apoiar os pagamentos de terceiros, desde que haja a incidência de taxas de serviços sobre o valor. Ainda não está claro de quanto seria, mas a Maçã promete cortes menores do que os 30% cobrados naturalmente na loja oficial.

Desenvolvedores de apps poderão usar formas de pagamento alternativas à App Store no iOS (Imagem: Sara Kurfeß/Unsplash)

Carinhosamente apelidada de “Lei Anti-Google”, o normativo criado na Coreia do Sul exige que as lojas de apps, como a Play Store e App Store, permitam métodos de pagamentos de terceiros. Nem é preciso dizer que isso foi um golpe forte na arrecadação das duas companhias em um dos países com mais usuários ativos no mundo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A legislação coreana estabelece multas se as Big Techs se recusarem a cumprir os termos. O Google foi a primeira a apresentar os planos iniciais para se adequar ao regramento em novembro de 2021, dois meses após o normativo começar a vigorar. Para a criadora do Android, a taxa de redução foi de 4% pelas transações que não usam o sistema de pagamento próprio.

Já a criadora do iOS ainda está em fase de adequação e, por meio de comunicado, disse estar ansiosa para trabalhar em parceria com a KCC para beneficiar os usuários coreanos. “A Apple tem muito respeito pelas leis da Coreia e um forte histórico de colaboração com os talentosos desenvolvedores de aplicativos do país. Nosso trabalho sempre será guiado por manter a App Store um local seguro e confiável para nossos usuários baixarem os aplicativos que adoram”, declarou.

Entenda a polêmica taxa das lojas de apps

As duas maiores companhias de tecnologia do mundo precisaram enfrentar batalhas judiciais que contestam as taxas aplicadas sobre o valor arrecadados por desenvolvedores. A reclamação dos criadores de apps seria as elevadas comissões, que beiram os 30% do montante total arrecadado, o que obriga os criadores a elevar o preço dos produtos ou arcar com o prejuízo do faturamento reduzido.

O caso mais chamativo dessa confusão foi entre Apple e Epic, após a empresa usar um método próprio de pagamento para contornar a taxa da rival, o que fez com que o game Fortnite fosse banido da App Store — a empresa afirmou que manterá o jogo fora por até 5 anos, enquanto o processo permanecer sem resolução. A briga foi parar nos tribunais e as duas companhias tiveram vitórias e derrotas. Uma das vitórias da Epic obrigou a Apple a aceitar pagamentos fora da App Store nos EUA.

A Epic foi uma das primeiras grandes empresas a reclamar sobre a taxa aplicada pela Apple nas transações via App Store (Imagem: Reprodução/MSPowerUser)

Tanto a Maçã quanto o Google justificam a necessidade de embutir taxas nas transações como forma de cobrir os gastos com a infraestrutura das lojas de apps. No caso da empresa criada por Steve Jobs, ainda haveriam os custos dos analistas que pesquisam por malwares nos apps e checam se todos os requisitos de segurança foram cumpridos.

Resta saber agora se a prática ficará restita apenas à Coreia do Sul ou se outros países vão se mobilizar para exigir que a Maçã flexibilize as políticas e renuncie a parte do seu faturamento em prol do desenvolvimento dos criadores de apps.

Fonte: The Korea Herald  

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu