Cibercriminosos aproveitam adesão em massa ao streaming para aplicar golpes

Boa parte do mundo adotou os serviços de streaming de vídeo e de música como principais formas de entretenimento nos últimos anos, com o processo sendo impulsionado pela pandemia da covid-19. Mas, como tudo que se torna parte do dia a dia das pessoas no universo digital, os criminosos virtuais estão de olho nessas plataformas e em seus usuários.

Uma pesquisa da Kaspersky mostra que mais de 80% dos latino-americanos pagam serviços de streaming de vídeo como Netflix, HBO e Amazon Prime e que 54% também mantém assinaturas em plataformas de música, como Spotify, YouTube Music e SoundCloud. É por conta de números como esses que criminosos estão usando temas ligados ao entretenimento online para disfarçar golpes digitais.

E se engana quem acha, assim como um terço dos brasileiros na pesquisa da Kaspersky, que suas vidas não têm nada de interessante para os criminosos. A grande maioria dos usuários dessas plataformas, em seus aparelhos e assinaturas, tem seus dados financeiros e de cartões de crédito, o objetivo principal dos fraudadores, que recorrem a campanhas massificadas de golpes para obtê-los.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Séries conhecidas são usadas para disseminar ameaças (Imagem: Reprodução/Disney)

Os criminosos, para atingir o máximo de pessoas nestes golpes, usam tendências do momento no entretenimento. Segundo a pesquisa da Kaspersky, filmes premiados no Globo de Ouro e no Oscar, lançamentos do Universo Cinematográfico Marvel (MCU, na sigla em inglês) e a série The Mandaloriano são alguns dos principais exemplos de conteúdos multimídias usados em campanhas maliciosas.

Mundo dos games também tem perigos

Outro tema de entretenimento que recebe atenção dos cibercriminosos é o mundo dos jogos eletrônicos. Segundo o relatório Gamer 2021 da Kaspersky, foram identificados mais de 5,8 milhões de ataques virtuais disfarçados de jogos, com os títulos mais usados sendo Minecraft, The Sims 4 e PUBG.

“O pensamento ‘é só um joguinho’ é muito comum, mas deixamos de considerar que os games tem itens/personagens raros – e muito deles só são adquiridos com dinheiro real. Portanto, uma conta dessas tem seu valor neste segmento e tem número de cartão de crédito. O lucro que o criminoso ganha pode vir de de diferentes maneiras”, alerta Fabiano Tricarico, diretor de vendas de varejo da Kaspersky na América Latina.

Independente de ser em streaming de vídeos ou em videogames, a Kaspersky disponibilizou algumas dicas para ajudar na proteção de seus dados pessoas. Listamos elas a seguir:

  • Cuidado com lançamentos: Nos lançamentos ou dias em que alguma novidade sobre um jogo ou filme sair, fique atento aos links de sites que você não conheça. Por mais tentador que seja, essa é uma das artimanhas mais comuns de fraude para roubar dados de cartão de crédito. Não acredite neste tipo de anúncio e tenha uma solução de segurança para proteger seus dispositivos contra tentativas de instalação de malware ou contra links fraudulentos;
  • Pirataria pode sair caro: muitas pessoas pensam que todo conteúdo pode ser obtido de graça sem problemas, mas a verdade é, conforme o Panorama de Ameaças de 2021 da Kaspersky, a pirataria é o que mais gera vítimas de golpes online, principalmente por muitos desligarem o antivírus para o download não ser bloqueado. Não faça isso, e fique alerta;
  • Roubo de contas: os golpes que buscam roubar as credenciais de plataformas de streaming não focam apenas nos dados financeiros. Muitos atacantes buscam por contas ativas e vendem a credencial para outros usuários, aproveitando da disponibilidade de uso em múltiplos aparelhos dos serviços. Para evitar que pessoas desconhecidas usem sua conta, revise as opções de segurança e privacidade, ative a opção de autenticação dupla e use senhas diferentes nas suas contas.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu