Cientistas suspeitam que coronavirus causou gripe russa de 1889

Para um grupo de pesquisadores, a atual pandemia da covid-19 e a da “gripe russa” possuem inúmeras semelhanças. Por exemplo, alguns infectados relatavam perda de paladar e de olfato após a infecção, além de outros sintomas atípicos da gripe. Por conta dessas inúmeras “coincidências”, cientistas investigam se a mortal gripe de 1889 teria sido, na verdade, causada por um coronavírus e não pelo vírus influenza.

A ideia do coronavírus ser a causa da “gripe russa” é “uma especulação muito interessante”, segundo explica o professor da Universidade de Michigan, Arnold Monto, em conversa com The New York Times. Além disso, o especialista lembra que há anos a ciência se pergunta sobre a origem dos coronavírus e se outras pandemias teriam sido causadas por essa família de patógenos.

Pandemia da gripe russa pode ter como causa um coronavírus desconhecido (Imagem: Reprodução/Yakov_Oskanov/Envato Elements)

Na mesma linha de raciocínio, Scott Podolsky, professor da Harvard Medical School, considera a hipótese “plausível”, mas ainda faltam evidências que comprovem a suposta relação dos coronavírus com a “gripe russa”.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Existem mais coronavírus?

Quando se pensa em coronavírus (CoV), os nomes de doenças mais associados são a covid-19, a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) e a Síndrome Respiratória do Oriente Médio (MERS). No entanto, os CoV formam uma grande família viral e são descritos desde meados dos anos 1960. Em comum, causam infecções respiratórias, de diferentes graus, em humanos e animais.

Inclusive, pessoas costumam ser infectadas por coronavírus comuns ao longo da vida. “Os tipos mais regulares que infectam humanos são o Alpha coronavírus 229E e NL63, o Beta coronavírus OC43 e o HKU1”, explica a Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT), em nota.

Caso a hipótese sobre a origem da “gripe russa” seja verdadeira, provavelmente, o coronavírus responsável pela pandemia deve viver, até hoje, entre os humanos, mas sem causar os estragos que fez na época.

Semelhanças entre a gripe e a covid

Em maio de 1889, os habitantes de Bukhara — uma cidade que integrava o Império Russo — começaram a adoecer e morrer misteriosamente. Conhecida como a “gripe russa”, a doença se espalhou por outras partes do globo — como Europa, América do Norte e Brasil — e foi associada com a alta letalidade em idosos. Estudiosos da época presumiram que a causa era o vírus influenza.

Pesquisadores apontam semelhanças entre a pandemia da gripe russa e a da covid-19 (Imagem: Reprodução/RW Footage/Envato)

Relatos do período afirmam que escolas e fábricas foram fechadas por causa do alto número de infectados, algo considerado bastante anormal para lidar com uma infecção. Além disso, alguns doentes alegavam perder a capacidade de sentir o paladar e o olfato. Por fim, alguns relatavam casos de fadiga e cansaço persistentes. Pelo menos três ondas da doença afetaram o mundo.

Se o nome da “gripe russa” fosse trocado por covid-19, o relato pareceria muito com o que o mundo vive desde o final de 2019, quando o coronavírus SARS-CoV-2 foi descoberto na cidade de Wuhan, na China. Inclusive, alguns sintomas são extremamente parecidos e pouco se parecem com os quadros típicos de gripe. Só que, no momento, essa relação é apenas especulativa.

Pesquisas sobre a origem da gripe russa

A questão é que falta qualquer evidência científica de que a “gripe russa” tenha como causa um coronavírus, já que foram analisados, por enquanto, apenas relatos da época e comparados com a atual situação pandêmica da covid-19. Agora, pesquisadores buscam identificar as pistas mais consistentes que podem comprovar essa suposição.

Uma dupla de pesquisadores britânicos, Jeffery Taubenberger e John Oxford, investiga amostras de tecido pulmonar preservados que antecedem a pandemia de gripe de 1918 — a famosa “gripe espanhola”. A ideia é verificar se ainda restam fragmentos de vírus da influenza ou de outros coronavírus nessas amostras.

Além deles, dois norte-americanos, Scott Podolsky e Dominic W. Hall, também analisam tecidos de pulmões preservados da mesma época. Dessa forma, é possível que, nos próximos meses ou anos, a sociedade descubra que outras pandemias causadas por coronavírus já foram enfrentadas pela espécie humana (ou não).

Fonte: The New York TimesScience Alert e SBMT    

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também