Comparativo Moto G30 x Moto G31 | O novo é sempre melhor?

Com menos de um ano de intervalo, a Motorola lançou dois modelos de celulares intermediários na mesma linha: o Moto G30 e Moto G31. Eles possuem algumas similaridades e, portanto, preparamos um comparativo para mostrar qual dos dois é o melhor.

Muitos podem pensar que, por ser o sucessor, o Moto G31 leva uma vantagem larga, mas a presença de um chip da Qualcomm no modelo mais antigo pode trazer alguns benefícios.

Além disso, o Moto G30 também possui um conjunto de câmeras mais encorpado, que pode agradar os fãs da marca que querem mais versatilidade na hora de fotografar. Em contrapartida, o G31 inova em utilizar uma tela OLED, que dá mais qualidade à imagem e cores mais intensas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Portanto, para tirar a dúvida de qual modelo te atende melhor, confira esse embate entre os dois e veja onde você deve depositar o seu dinheiro.

Design e Construção

Logo de cara, os dois são bem diferentes. Não só o visual — que se aplica tanto para a frontal quanto para a traseira — como também no tamanho. Para começar, o Moto G31 tem dimensões de 161,9 x 74,6 x 8,45 mm e pesa 180 g. Já o seu antecessor é maior e mais pesado: ele mede 165,3 x 75,8 x 9,2 mm, com peso de 200 gramas.

Na frente, o Moto G31 se mostra mais atual e tem um entalhe em forma de furo no display, que dá um ar de “aparelho novo”, ao passo que o Moto G30 ainda aposta no notch em forma de gota, que diminui o aproveitamento da tela.

Por falar em aproveitamento, ambos sofrem de um mal comum em celulares intermediários da Motorola: bordas bem espessas, principalmente a inferior. No Moto G30, isso é ainda mais perceptível, e seu “queixo” avantajado o deixa menos atraente.

Moto G31 e Moto G30 têm visuais bem diferentes (Imagem: Danilo Berti/Canaltech)

Na traseira, eles são ainda mais diferentes. Ambos possuem acabamento em plástico, mas o Moto G30 aposta em um design fosco e liso, enquanto o G31 adota o padrão com textura em curvas, que garante uma segurança maior na hora de manter o celular firme na mão, sem muito perigo de escorregar.

Já para o módulo de câmeras, o G31 possui aquele retângulo com bordas arredondadas — que dá um aspecto quase oval — para abrigar o conjunto de três lentes. Já o Moto G30 parece mais sofisticado, com o quadro um pouco mais achatado, mas ainda retangular.

Tela

A tela é o componente que gera mais competição entre os dois modelos. Isso porque o Moto G31 leva a vantagem de oferecer um display OLED, que garante imagens mais vívidas e cores mais intensas do que o IPS LCD do Moto G30.

A resolução da tela também é bem maior no modelo mais atual: são 1080 x 2400 pixels com densidade de 411 ppi no G31 e 720 x 1600 pixels com 269 ppi no G30.

Em contrapartida, o G30 tem uma taxa de atualização maior, de 90 Hz, ao passo que o seu sucessor fica em apenas 60 Hz. Essa taxa de atualização maior é mais indicada para quem gosta de jogar bastante no celular e também melhora a experiência de navegação nos feeds de redes sociais.

No mais, ambos oferecem quase a mesma dimensão do painel: o Moto G31 tem 6,4 polegadas, enquanto o G30 tem 6,5 polegadas. Uma diferença pouco perceptível para os menos atentos.

Configuração e Desempenho

Aqui, a competição começa a ficar mais séria. Isso porque o Moto G30 é equipado com a plataforma móvel do Snapdragon 662, ao passo que seu sucessor chega com o MediaTek Helio G85. É uma decisão um pouco estranha utilizar um chip tão parecido em um celular que, teoricamente, é sucessor do outro.

Na prática, ambos oferecem uma performance similar da CPU, e o Moto G31 com seu Helio G85 tem uma ligeira vantagem no processamento gráfico com a GPU Mali-G52 (a do Moto G30 é uma Adreno 610). O Snapdragon 662, porém, tem um gerenciamento melhor da energia, que faz com que ele economize mais bateria do que seu rival.

O componente da MediaTek tem dois núcleos de processador Cortex-A75 que rodam em frequência máxima de 2 GHz e seis Cortex-A55 com clock de 1,8 GHz. Já o Qualcomm utilizado no Moto G30 tem quatro processadores Kryo 260 Gold de 2 GHz e o outro conjunto são quatro cores Kryo 260 Silver de 1,8 GHz.

Moto G31 tem tela mais moderna, com tecnologia OLED (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

Em um aspecto geral, portanto, há um empate técnico entre os dois modelos, mas o Moto G30 — que possui o Snapdragon 662 — leva uma vantagem, já que os desenvolvedores costumam otimizar melhor e mais constantemente os apps e jogos para chips da Qualcomm.

As similaridades continuam a acontecer quando ambos possuem as mesmas versões de 64 GB ou 128 GB de armazenamento interno com 4 GB de RAM. O Moto G30 até possui uma versão ainda mais potente, com 6 GB de RAM, mas este modelo não chegou a ser comercializado oficialmente no mercado brasileiro.

Em conectividade, tudo igual, de novo. Os dois contam com rede apenas 4G, tem Wi-Fi com bandas 802.11 a/b/g/n/ac e Bluetooth 5.0, mas carecem de conexão NFC para pagamentos por aproximação.

Usabilidade

Se os dois são bem parecidos no desempenho, na usabilidade, eles são praticamente iguais. Isso porque ambos estão com o Android 11 rodando de fábrica e possuem a mesma interface, que é levemente modificada e, portanto, bem parecida com o que o Google oferece de forma oficial em seu sistema operacional.

A única diferença, porém, é que, por ser um modelo mais recente, o Moto G31 pode se manter atualizado por mais tempo com os pacotes de segurança do Google. E, levando em consideração a política de atualizações da marca, é difícil que qualquer um deles receba uma nova versão de software além do Android 12.

Câmera

O conjunto de câmeras dos dois celulares mostra que nem sempre o mais novo é melhor. Isso porque o Moto G30 possui uma lente a mais em relação ao Moto G31. Ele conta com um sensor principal de 64 MP com abertura f/1.7, um ultrawide de 8 MP f/2.2, um macro de 2 MP f/2.4 e um de profundidade com 2 MP f/2.4.

Já o Moto G31 perde a câmera de profundidade e tem um sensor principal de 64 MP com abertura f/1.8 — que já é ligeiramente inferior ao seu antecessor —, um ultrawide de 8 MP f/2.2 e um macro de 2 MP f/2.4. Para selfies, ambos contam com uma lente de 13 MP com abertura f/2.2.

Moto G30 oferece um conjunto de câmera mais generoso (Imagem: Ivo Meneghel Jr/ Canaltech)

No geral, eles devem entregar uma qualidade de imagem bem parecida, mas o Moto G30 se sobressai em oferecer uma câmera dedicada para imagens em profundidade.

Isso quer dizer que, enquanto o G31 precisa apelar para o software para obter imagens no modo retrato e desfocar o fundo, o G30 faz isso tudo também com o auxílio de um hardware específico, o que acaba sendo mais eficaz.

Para gravação de vídeo, ambos podem filmar com resolução Full HD, mas o Moto G31 tem taxa de quadros de até 30 fps, enquanto seu antecessor vai até 60 fps. Na frontal, eles empatam com filmagem Full HD a 30 fps. Veja, abaixo, alguns exemplos de imagens obtidas com os dois celulares:

Imagens obtidas com a câmera do Moto G30

Imagens obtidas com a câmera do Moto G31

Sistema de Som

No sistema de áudio, não há nenhuma surpresa. Tanto o Moto G31 quanto o G30 contam com um sistema de áudio mono, o que não é nenhuma novidade, já que até mesmo modelos mais avançados — como o Moto G100 — não oferecem duas saídas de som.

Dessa forma, espere a mesma qualidade sonora nos dois, com volume não tão alto e um pouco de distorção quando no nível máximo.

Uma “vantagem” é que os dois oferecem conector P2 para fones de ouvido, então você pode conectar um para ouvir músicas com uma qualidade melhor ou até mesmo usar uma caixinha de som com cabo auxiliar.

A conexão Bluetooth 5.0 também mantém tudo estável se você preferir usar dispositivos sem fio.

Bateria e Carregamento

Os dois celulares contam com a mesma capacidade de bateria, são 5.000 mAh. Na teoria, isso poderia indicar que eles têm a mesma autonomia. Mas é óbvio que isso depende de vários fatores.

Para começar, o Moto G30 tem um processador mais eficiente no gerenciamento energético, ao passo que a tela OLED do Moto G31 é melhor para poupar mais carga caso você use o modo escuro. Como essa briga fica na prática, então?

No nosso teste padrão — que consiste na reprodução de 3 horas de conteúdos na Netflix com brilho ajustado no médio — o Moto G30 consumiu apenas 11% da carga, com autonomia total estimada em 27 horas.

Já o Moto G31 ficou um pouco para trás, e o consumo foi de 13%, o que deve dar um total de 23 horas.

Em cenários gerais, porém, eles podem se mostrar igualmente competentes para passar um dia inteiro longe das tomadas e ainda sobrar um pouco de bateria para o dia seguinte.

Mas é claro que isso é em relação a um uso moderado e, caso você goste de jogar bastante, a duração da carga pode diminuir um pouco.

Já no carregamento, a diferença é maior e o Moto G30 leva uma vantagem mais larga. Ele conta com um carregador de 20 W no kit, enquanto seu sucessor chega com um de 10 W.

Dessa forma, ambos devem demorar mais de duas horas para ter uma carga completa, mas o G30 deve chegar aos 100% mais cedo.

Moto G30 ou Moto G31? Qual vale mais a pena?

O Moto G31 chegou para quebrar a teoria de que “novo é sempre melhor”. Apesar de os dois celulares serem bem equilibrados, o Moto G30 possui várias vantagens em relação ao seu sucessor.

Para começar, os chipsets são bem parecidos e há um “empate técnico” entre os dois modelos no que diz respeito ao desempenho. O G31 leva uma pequena vantagem no processamento gráfico, mas o gerenciamento energético é melhor no modelo lançado no começo de 2021.

Além disso, você pode ver uma otimização mais constante de jogos no Moto G30, já que os desenvolvedores tendem a ser mais generosos com celulares equipados com as plataformas móveis da Qualcomm.

As imagens obtidas pelas câmeras deles são igualmente boas, mas o G30 é ligeiramente melhor por oferecer uma lente dedicada para imagens em profundidade — o que ajuda se você utiliza bastante o modo retrato.

O Moto G31 ganha apenas na tela. Ele tem uma tecnologia de display mais avançada, a OLED, que oferece imagens e cores mais intensas, além de ter mais resolução no painel.

O G30 tem a vantagem de ter uma taxa de atualização mais alta, de 90 Hz, mas a diferença não é tão perceptível contra os 60 Hz do G31.

Os dois também devem receber a mesma quantidade de atualizações. Porém, por ser mais antigo, é provável que o Moto G30 pare de receber novos pacotes de segurança mais cedo.

O Moto G30 também é mais barato e isso pode atrair mais na hora da compra. Ele é encontrado em uma faixa de preço a partir de R$ 1.400, enquanto o Moto G31 é vendido por pelo menos R$ 1.500.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu