Coronavírus tem mais variantes que outros vírus?

Desde a descoberta do coronavírus SARS-CoV-2 no final de 2019, diferentes variantes de preocupação (VOC) despertaram a atenção de pesquisadores, médicos e autoridades em todo o mundo. Cada uma foi apelidada com uma letra do alfabeto grego pela Organização Mundial da Saúde (OMS), como a Ômicron (B.1.1.529) e a Delta (B.1.671.2), mas será que esse elevado número de mutações é normal para outros vírus? De acordo com especialistas, a resposta é sim, mas vantagem do vírus da atual pandemia é a sua capacidade transmissão e o seu ineditismo — já que ninguém tinha defesas naturais contra ele.

Vale lembrar que, fora do alfabeto grego, dezenas de outras variantes não chegaram nem a receber um apelido da OMS, porque não foram identificadas como responsáveis por uma grande quantidade de casos pelo globo e nem tiveram relação com surtos locais.

Taxa de mutação do coronavírus é similar a de outros vírus (Imagem: Reprodução/IciakPhotos/Envato)

Mutações de vírus são normais

No mundo, os vírus estão em constante mutação, o que ocorre durante o processo de replicação viral e se formam de forma aleatória. Tanto é que a maioria das mutações não impacta diretamente os vírus, ou seja, não tem nenhum efeito direto. Enquanto isso, algumas podem ser negativas, impedindo que ele continue a se reproduzir. No lado oposto, algumas são benéficas e os ajudam a se reproduzir mais.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No caso da variante Ômicron do coronavírus, as mutações foram positivas. Em pesquisa, foram identificadas 37 mutações na proteína spike (S) da sua membrana. Esta parte do vírus é responsável por infectar as células saudáveis e, com as modificações, a cepa conseguiu se tonar a mais transmissível até agora descoberta. Além disso, casos de reinfecção se tornaram mais comuns, segundo estudo publicado na revista Science.

Coronavírus muta mais do que os outros vírus?

A taxa de mutação do coronavírus SARS-CoV-2 é semelhante a de outros vírus de RNA comuns, como influenza, vírus sincicial respiratório (RSV), enterovírus e rinovírus, segundo Katie Kistler, pesquisadora do Fred Hutchinson Cancer Research Center, nos Estados Unidos. “A taxa de mutação no SARS-CoV-2 não é particularmente notável”, pontua Kistler, para o site Live Science.

“O SARS-CoV-2, o vírus que causa a covid-19, pode parecer que ‘evolui’ mais devido ao fato de ser muito mais transmissível do que outros vírus comuns, resultando em muito mais casos”, explica Jesse Erasmus, virologista e professor assistente da Escola de Medicina da Universidade de Washington.

Mutações do coronavírus ocorrem em grande número por causa da alta transmissão (Imagem: Reprodução/Abdelrahman_El-masry/Envato)

Nesse sentido, Erasmus reforça que a taxa real de mutações por infecção é semelhante a de outros vírus comuns, podendo ser, em alguns casos, mais lenta. O ponto é que a circulação do vírus da covid-19 é muito alta e isso permite que mutações vantajosas apreçam, destacando-se em todo o mundo, o que não ocorre com a mesma frequência para os outros agentes infecciosos. Em outras palavras, a ideia de ser mais mutável é fruto do elevado número de casos.

Aprendendo com a pandemia do H1N1 de 2009

Em 2009, a pandemia de influenza pelo vírus A (H1N1) — apelidada como gripe suína — pode trazer algumas lições sobre a questão das mutações virais, de acordo com Erasmus. Inicialmente, o novo subtipo do vírus influenza foi descoberto no México e nos Estados Unidos e, em seguida, se espalhou pelo globo.

Durante a fase inicial da pandemia e alguns meses após o seu surgimento, a taxa de mutação é maior. Em um segundo momento, o índice “cai para um nível de linha de base mais estável”, explica a pesquisadora. Provavelmente, essa tendência deverá ser observada com o coronavírus também. Isso porque, quando a covid-19 se tornar endêmica, o ritmo da evolução adaptativa deve diminuir.

Fonte: Live Science  

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também