Criptomoedas e trabalho híbrido serão alvos de ciberataques na América Latina

O cibercrime na América Latina deve continuar bastante ativo em 2022. Phishing e ransomware ainda serão destaques, mas os métodos devem ser cada vez mais sofisticados e explorar vulnerabilidades em ambientes híbridos e em dispositivos de internet das coisas (IoT). A conclusão é de especialistas da Appgate, especialista em acesso seguro e cibersegurança.

Marcos Tabajara, diretor de vendas da Appgate do Brasil, lembra que os golpistas constantemente buscam métodos e circunstâncias diferentes para criar ataques novos. “Por isso, é importante que as organizações busquem por novas técnicas de segurança e se preparem com antecedência”, aponta.

É importante, então, manter-se atualizado e atento. Veja, a seguir, seis tendências em fraudes para 2022.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

1 – Sistemas de pagamento P2P de terceiros

As instituições financeiras não têm visibilidade das transações P2P de terceiros antes de elas serem processadas. Isso impede que elas ofereçam o mesmo nível de monitoramento que geralmente proporcionam em single sign-on (SSO). Por isso, esse problema persiste e essa deve ser a principal causa de fraude de pagamento neste ano.

2 – Phishing

Phishing continua a ser eficaz nos ciberataques (Imagem: Reprodução/Pixabay/Mohamed Hassan)

Esse tipo de ataque ainda é muito eficaz, econômico e fácil de implementar. É provável que haja aumento nos ataques relacionados a criptomoedas e tokens não fungíveis (NFTs). Os invasores devem continuar a testar estratégias de segurança para usuários, consumidores e dados distribuídos.

3 – Trabalho remoto e ambientes híbridos

O trabalho remoto já é uma realidade para muitas organizações. Isso exige a criação de ainda mais ambientes de nuvem e híbridos, o que torna as superfícies de ataque mais extensas. Por isso, as organizações devem proteger suas portas de entrada, bem como as de terceiros.

4 – Criptomoedas

Em 2022, é provável que haja um aumento nos ataques cibernéticos relacionados a criptomoedas. Os provedores de segurança cibernética, então, precisarão se proteger contra hackers que tentam roubar e manipular esses ativos.

5 – Ransomware

O ransomware via se tornar mais sofisticado. Os hackers usarão ferramentas para ataques em tempo real e para invadir as redes das vítimas. Um novo método de ataque ransomware pode envolver a capacidade de se comunicar por meio de dispositivos IoT e aproveitar a engenharia social para manipular seu comportamento.

6 – Autenticação sem senha

Autenticação sem senha pode ser mais segura contra ciberataques (Imagem: Divulgação/Eset)

A invasão a contas deve persistir em 2022. Muitas organizações podem ter de implementar métodos de autenticação mais robustos, que não usam senhas, para garantir experiências mais seguras para o usuário.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu