Fraudes corporativas consomem 1% do lucro das empresas nas Américas, diz estudo

Fraudes, conformidade e multas regulatórias representam perda de, em média, 1% dos lucros das organizações nas Américas. As conclusões são do levantamento “Uma ameaça tripla nas Américas: KPMG 2022 Fraud Outlook”, que ouviu 642 líderes de sete setores.

A maioria (77%) deles acredita que o risco com segurança cibernética deve aumentar nos próximos 12 meses. Além disso, 69% esperam crescimento nos riscos de fraude externa ou interna neste ano e 29% preveem acréscimo nas duas ameaças. Já 7% consideram que os riscos devem cair nesse período.

Segundo o levantamento, 86% dos executivos consideram que o trabalho remoto afetou negativamente ao menos um elemento dos programas de prevenção a fraudes, conformidade e segurança cibernética. Metade dos entrevistados aponta que trabalhar em casa reduz a capacidade das companhias de responder adequadamente a fraudes.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Maioria dos líderes avalia que risco com fraudes na segurança cibernética deve aumentar nos próximos 12 meses (Imagem: Reprodução/Unsplash/duallogic)

Para Emerson Melo, sócio-líder da prática forense e de litígios da KPMG no Brasil e na América do Sul, o trabalho remoto aumentou os riscos ao reduzir a capacidade de monitorar e controlar comportamentos fraudulentos. “Como esse modelo de trabalho deve se manter no futuro, fraudes, conformidade e segurança cibernética devem ser prioridade para as empresas”, ressalta.

Poucos líderes entrevistados demonstraram confiança de que as empresas refletem as melhores práticas internacionais de conformidade anticorrupção (18%), ambiental (21%), contra lavagem de dinheiro (22%), controles antifraude (23%) e controles de privacidade de dados (27%).

Leandro Augusto, sócio-líder de segurança cibernética da KPMG no Brasil e na América do Sul, aponta que a volatilidade das ameaças cibernéticas e as preocupações crescentes com a proteção e a segurança dos ambientes digitais trazem essa percepção. “Diversas empresas falham ao aplicar estratégias, fazer investimentos adequados ao contexto de negócio e de ameaças, ou em disciplinas básicas que prejudicam toda a cadeia de controles de segurança.”

Segurança cibernética e fraudes no futuro

Para o futuro, 62% dos executivos esperam por novos regulamentos de privacidade de dados nos próximos cinco anos. Além disso, 47% avaliam que haverá novas regulamentações ambientais e 46%, novas regulamentações trabalhistas. Do total de entrevistados, 41% esperam por uma aplicação mais rígida das regras já existentes nos próximos cinco anos.

A pesquisa aponta diferenças entre o cibercrime na América do Norte e na América Latina: 76% dos executivos entrevistados em companhias dos EUA e do Canadá relataram prejuízos por fraudes envolvendo agentes externos, como clientes ou fornecedores, enquanto esse índice é de 42% em países latinos. Os entrevistados da América Latina, por sua vez, têm duas vezes mais chances de sofrer fraude interna ou ocupacional — 49% contra 17% na América do Norte.

Na América do Norte, maior parte das fraudes envolve agente externos (Imagem: Reprodução/Elements/twenty20photos)

Uma das razões para isso é o fato de os programas de gerenciamento de risco de fraude e outras defesas internas serem menos robustos na América Latina. Raphael Soré, sócio da prática forense e de litígios da KPMG no Brasil, diz que o interesse de criminosos que operam remotamente é cada vez maior em empresas americanas e canadenses. “Isso explica o alto índice de fraudes externas na América do Norte.”

Soré lembra que é difícil estimar prejuízos, mas as perdas ocasionadas por fraudes podem ser superiores ao 1% do lucro reportado pelas empresas. “A maioria das fraudes internas passa muito tempo sem ser descoberta e os riscos de compliance algumas vezes levam anos a se materializar. É provável que esse percentual seja apenas a ponta visível de um iceberg que só será plenamente revelado com o aumento dos controles internos”, ressalta.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu