Microrrobô injetável pode desenvolver ossos para tratar fraturas

Em estudo publicado na revista científica Advanced Materials, pesquisadores da Universidade de Linköping (Suécia) descreveram a criação de um microrrobô que pode desenvolver ossos próprios para ajudar na regeneração de pacientes com fraturas ósseas.

Injetável, o microrrobô possui uma estrutura com gel de alginato, uma substância que pode ser encontrada em algas marinhas. Esse gel consegue mudar de tamanho sob uma descarga de baixa voltagem. Além da facilidade em se dobrar para uma determinada direção, quando já está inserido no corpo humano, a invenção também pode endurecer, como se fosse um osso.

A ideia por trás dessa nova invenção é que o material consiga se manobrar e se expandir entre os espaços de fraturas ósseas e, ao endurecer, possa desenvolver um novo osso e crescer junto aos demais. Para testar o funcionamento, os cientistas utilizaram um osso de galinha.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Microrrobô injetável pode desenvolver ossos para tratar fraturas (imagem: Reprodução/Linköping University)

A próxima tarefa dos pesquisadores consiste em analisar como suas propriedades funcionam em conjunto com células vivas, para chegar a uma compreensão mais profunda acerca da biocompatibilidade da combinação de materiais. Acontece que, anteriormente, o grupo identificou uma biomolécula estimuladora do crescimento ósseo, que foi o estopim para o desenvolvimento do microrrobô.

Recentemente, pesquisadores da University of Arizona (EUA) anunciaram a criação de um dispositivo minúsculo capaz de monitorar a saúde óssea de uma pessoa. A proposta lembra um pouco esse microrrobô da Linköping, já que possui um adesivo com partículas de cálcio e estrutura atômica que faz o próprio organismo “pensar” que o dispositivo é parte dos ossos. Assim, cresce até o próprio sensor, formando uma ligação permanente com o osso, monitorada a longo prazo.

Fonte: Advanced Materials

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu