Mineradora de Bitcoin otimiza máquinas e agora gera 10 BTC por dia

A mineração de Bitcoin vai bem além dos entusiastas que querem lucrar com a atividade. Hoje em dia, grandes empresas são criadas com seu principal serviço especializadas em minerar os ativos, e no caso da CleanSpark, uma dessas instituições localiza nos EUA, os investimentos sempre visam uma maior eficiência nessa ação.

Nos últimos 3 meses, a CleanSpark dobrou seu poder de computação, atingindo a marca de uma taxa de hash de 2 EH/s, se tornando uma das principais mineradoras dos EUA de capital aberto, junto de empresas como Hut 8, Hive Blockchain e Bitfarms – todas com taxas parecidas.

Em comunicado oficial sobre a novidade, o CEO da CleanSpark, Zach Bradford, afirma que a empresa está produzindo cerca de 10 BTC por dia com o aumento do poder computacional.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Além disso, ele ainda afirma que o processo é feito de forma sustentável, graças ao uso de mecanismos de resfriamento por imersão em líquido e demais fontes de energias sustentáveis, como fontes hidrelétricas, solares e eólicas.

Impacto da mineração de Bitcoin no meio-ambiente ainda é grande

A sede da CleanSpark, onde ocorre mineração de Bitcoin. (Imagem: Reprodução/CleanSpark)

A mineração de criptomoedas consome muita energia, e há anos organizações ambientais pedem para que esse mercado encontre alternativas mais econômicas. Esse processo foi intensificado após o excêntrico bilionário Elon Musk, CEO da Tesla, ter comentado sobre a falta de sustentabilidade na mineração dos criptoativos, justificando que a Tesla só aceitaria novamente o Bitcoin como pagamento quando houvesse confirmação que as moedas estavam sendo geradas com energia limpa.

No caso da CleanSpark, mesmo que ela afirme usar fontes sustentáveis em suas operações, o aumento de sua taxa de mineração para 2 EH/s ainda é algo que pode ter grandes impactos no meio-ambiente.

Segundo estimativas realizadas em agosto de 2020, para uma mineradora de Bitcoin chegar a 2 EH/s, era necessário o uso de dispositivos eletrônicos que consumiam 64 MW por hora, o que, no valor atual da energia elétrica, daria valores superiores a R$ 9 milhões por mês — e mesmo que esse gasto seja diminuído pelo uso de fontes renováveis, o impacto ainda é grande.

Fonte: InfoMoney

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também