Novo teste chinês pode detectar covid-19 em apenas 4 minutos

A cada dia, cientistas se dedicam em aperfeiçoar os testes de covid-19, e na última segunda-feira (7), um estudo publicado na revista Nature Biomedical Engineering indicou um novo teste chinês que leva apenas 4 minutos para detectar a doença (ou, no caso, para apontar se o paciente está negativo para o vírus).

No estudo, os pesquisadores da Universidade Fudan de Xangai garantem que o teste é tão preciso quanto o PCR, atualmente considerado o padrão ouro para detectar a presença do vírus. A invenção usa um biossensor eletromecânico hipersensível para detectar ácidos nucleicos (substâncias presentes no interior das células), que por conta da baixa concentração nas amostras, costumavam ser difíceis de identificar.

Os pesquisadores coletaram amostras nasais de 33 pacientes com resultado positivo para covid-19 através de teste PCR, 23 pacientes que apontaram negativo para o vírus, seis pacientes positivos para influenza e 25 voluntários saudáveis. O novo exame chinês processou com precisão todos os casos sem erros em menos de quatro minutos, conforme explica o artigo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Novo teste chinês pode detectar covid-19 em apenas 4 minutos (Imagem: fernando zhiminaicela/Pixabay)

Os autores reconhecem, no entanto, que a pesquisa foi conduzida com uma pequena amostra. A ideia é atingir uma taxa de precisão de 100% em uma amostra maior, mas a equipe afirma que, se nessa escala maior a taxa de precisão for pelo menos semelhante à do teste de antígeno, já será um resultado satisfatório.

O grupo estima que o desenvolvimento de testes portáteis com essa tecnologia pode contemplar locais como aeroportos, clínicas, departamentos de emergência e até domicílios. Além disso, não se limitam à covid-19: a proposta é que possam ser usados para o diagnóstico rápido de outras doenças.

Fonte: Nature Biomedical Engineering

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu