O que é maré vermelha?

A maré vermelha é um fenômeno natural produzido pela grande proliferação de microalgas. Ele ocorre por todas as faixas litorâneas do planeta e, apesar do nome, também aparece em rios e lagos de água doce — não apenas em mares. Uma grande população dessas espécies provoca uma alteração na cor da água, podendo variar além do vermelho, inclusive.

As microalgas são organismos normalmente inofensivos que desempenham um papel fundamental nos oceanos, sendo a base da cadeia alimentar marinha. No entanto, quando encontram as condições ideais para se reproduzirem, elas passam a ser nocivas à vida marinha e à saúde humana ao liberar uma grande quantidade de toxinas.

O que é a maré vermelha?

Quando as microalgas do gênero Gonyaulax catenella encontram as melhores condições de temperatura morna e resíduos orgânicos na água, elas passam a se reproduzir em uma larga escala. Estes organismos possuem uma coloração avermelhada e é justamente este o motivo da cor do fenômeno.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Maré vermelha registrada na costa do Texas, EUA (Imagem: Reprodução/NOAA)

O fenômeno também é chamado de floração de algas nocivas, porque nem sempre a maré apresenta uma coloração vermelha, pois dependerá do tipo de microalga que se reproduz em determinado no local — podendo variar entre as cores amarela, laranja e marron.

A floração é desencadeada por diversos fatores, como a temperatura mais quente, nutrientes disponíveis na água e coisas como animais mortos ou despejo de esgotos em praias e rios. Nessas condições, as microalgas se reproduzem rapidamente aos milhares.

Floração de microalgas no Lago Erie, um dos cinco Grandes Lagos da América do Norte (Imagem: Reprodução/NOAA)

Mais do que o acasalamento, a aglomeração destas microalgas também é uma tentativa de se protegerem em grupo, uma vez que, em concentrações menores elas estão sujeitas tanto à predação quanto às correntes marinhas.

O perigo da maré vermelha

As microalgas vermelhas produzem uma toxina conhecida como saxitoxina. Em concentrações normais, ela não oferece risco à vida, mas, em se tratando de um fenômeno como a maré vermelha, a grande concentração destes organismos resulta em uma boa quantidade desta substância tóxica.

A floração das microalgas reduz o oxigênio dissolvida na água, provocando a morte de muitas espécies (Imagem: Reprodução/USGS)

A floração de algas nocivas passa a contaminar os peixeis que se alimentam delas, refletindo os efeitos nocivos pela cadeia alimentar marinha. O consumo de organismos marinhos intoxicados pode provocar efeitos colaterais severos, normalmente fatais para animais marinhos e pequenas aves.

Além disso, o rápido crescimento da população de microalgas acaba consumindo muito do oxigênio dissolvido na água e, por isso, alguns organismos, como os peixes, podem morrer pela falta de oxigênio. Outro efeito negativo da maré vermelha é que a sua densidade bloqueia a luz solar, da qual muitas espécies dependem para sobreviver.

A zona morte — como é chamada a região com redução de oxigênio — com mais de 22 mil km quadrados no Golfo do México em 2017 (Imagem: Reprodução/NOAA/N. Rabalais/LSU/LUMCON)

Por isso é muito comum que as marés vermelhas sejam acompanhadas por peixes mortos na areia das praias e um cheiro forte e repulsivo, o que, por si só, já serve como um alerta de que algo não está normal.

Fatores que contribuem para a maré vermelha

O fenômeno das marés vermelhas acontece bem antes de os seres humanos caminharem pela Terra — e sempre acontecerá. No entanto, pesquisadores observam uma maior ocorrência ao longo das últimas décadas e apresentam algumas causas que contribuem para a floração de algas nocivas.

Intensa floração de algas no Lago de Maracaibo, na Venezuela (Imagem: Reprodução/NASA Earth Observatory)

De um lado, estão as mudanças climáticas, que aquecem ainda mais o planeta e produzem ventos mais fortes que ajudam a agitar os nutrientes que alimentam as microalgas — assim, elas acessam mais facilmente sua comida, embora prefiram as águas mais calmas.

Do outro, há o excesso de poluição através do derramamento de esgotos e resíduos industriais em, que fornecem uma grande quantidade de alimento para essas espécies. Um exemplo disso é o Lago de Maracaibo, localizado ao noroeste da Venezuela, que tem apresentado uma coloração verde duradoura dado ao aumento da população de microalgas no local.

Ali, as cianobactérias, também conhecidas como algas azuis, encontram todo resíduo doméstico e industrial das instalações de gás e petróleo da região, e a constante floração destes organismos tem levado o ecossistema local ao declínio. Uma solução seria o tratamento desse escoamento, antes de ser despejado na natureza.

Fonte: NOAA, NASA

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu