O que é Swift, o sistema financeiro global?

A guerra da Rússia contra a Ucrânia não ocorre apenas entre armas, mas com dinheiro. A União Europeia excluiu na quarta-feira (2) sete bancos russos do sistema financeiro internacional Swift, principal sistema de transferências internacionais do mundo. O bloqueio entrará em vigor a partir de 12 de março.

O Swift é uma sigla em inglês para Sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais. É uma cooperativa internacional criada em Bruxelas em 1973 e apoiada por 239 bancos em 15 países. Hoje já conta com mais de 111 mil instrituições financeiras de mais de 200 países, incluindo a Rússia. Seu objetivo é ser um canal de comunicação e padronização das transações financeiras, agilizando assim a economia global.

As mensagens do sistema são consideradas seguras por manter garantias baseadas principalmente em alta redundância de hardware, software e de pessoas. Ou seja, para uma mensagem chegar ao seu receptor, é preciso passar por uma série de protocolos de confirmação. O sistema opera em redes fechadas só com pessoas autorizadas a usá-lo, além de ser criptografado. Em 2020, cerca de 38 milhões de “mensagens FIN” Swift foram enviadas diariamente pela plataforma.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Guerra levou UE a barrar sete bancos russos do Swift (Imagem: Reprodução/Anna Nekrashevich/Pexels)

A Rússia é o segundo maior país no Swift (perde para os EUA). De acordo com a associação nacional RosSwift, são cerca de 300 bancos pertencendo ao sistema — mais da metade das instituições financeiras do país. A retirada de sete bancos buscou restringir a economia do país. Foram barrados por enquanto o VTB, o segundo maior banco da Rússia, além do Bank Otkritie, o Novicombank (financiamento industrial), o Promsvyazbank, o Rossiya Bank, o Sovcombank e o VEB (banco de desenvolvimento do regime).

A União Europeia poupou dois bancos ligados à venda de hidrocarbonetos. O Sberbank, o maior credor da Rússia, e o Gazprombank não foram incluídos porque são os principais canais para pagamentos de petróleo e gás russos. A União Europeia segue comprando esses materiais do país.

O que banimento do Swift significa para a Rússia em guerra e para o resto do mundo?

A ideia é impedir os bancos russos de terem acesso a qualquer dinheiro do exterior e, com isso, enfraquecer o poder econômico da nação em guerra. Além disso, o país ficaria de fora dos maiores mercados financeiros e será mais difícil para empresas e pessoas físicas russas pagarem por importações e exportações, empréstimos ou investimentos no exterior.

Um banimento de todos os bancos russos não seria ruim apenas para a Rússia. Empresas e governos com negócios com o país teriam mais dificuldades de concretizar a venda e compra de produtos.

Por outro lado, os bancos banidos podem usar outros canais para pagamentos, como telefones, aplicativos de mensagens ou e-mail. Assim, conseguiriam realizar algumas transações com países que não impuseram sanções, mas como são meios menos eficientes e seguros, isso impactaria nos custos e volume de operações, gerando atrasos de pagamentos ou desistências de negócios.

Algo parecido aconteceu com o Irã, quando o país foi excluído do Swift por conta do seu avançado programa nuclear. Na época, em 2012, instituições de comércio exterior brasileiras continuaram a fazer negócios com o país passando o dinheiro por nações terceiros. Além disso, hoje dá para realizar pagamentos via criptomoedas.

Desde 2014, a Rússia desenvolve seu próprio sistema de transferências internacionais, o Sistema de Transferência de Mensagens Financeiras do Banco da Rússia (SPFS). A plataforma deve funcionar como um concorrente do Swift controlada por Moscou. No último levantamento, no ano passado, o sistema contava com 23 bancos de países como Armênia, Bielorrússia, Alemanha, Cazaquistão, Quirguistão e Suíça.

Fonte: UOL, Istoé Dinheiro, AFP (via UOL), Veja

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também