O que esperar do Android 13

O Android 13 “Tiramisu” ainda nem foi anunciado oficialmente, mas detalhes sobre o início do desenvolvimento circulam pela internet desde os trabalhos iniciais. Em razão disso, já é possível ter uma ideia do que o Google planeja introduzir no seu sistema operacional de código aberto, o mais popular para celulares e tablets.

Como de costume, cada atualização do Android traz consigo uma série de novos recursos, aprimoramentos visuais ou mudanças na experiência do usuário. Muitas coisas são pequenas correções invisíveis para o usuário comum e outras são grandes adições que dão uma aparência reformulada para o sistema. Como o Material You já trouxe uma importante renovação no visual, é provável que a versão 13 seja mais comedida nesse sentido.

O Android 13 já está em fase de desenvolvimento (Imagem: Alveni Lisboa/Canaltech)

Por estar em estágio embrionário, muitas descobertas vem de códigos publicados no Android Open Source Project (AOSP) ou de prints de tela das versões preliminares do software. Em razão disso, é possível que algumas dessas especulações não se tornem realidade ou que mais novidades surjam com o passar dos meses.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Quando o Android 13 será lançado?

Ainda é muito cedo para cravar uma data exata do lançamento do sucessor do Android 12, já que a versão atual chegou há pouco mais de três meses. Mesmo assim, é possível supor uma janela temporal com base nos lançamentos anteriores: é provável que o Android 13 seja apresentado em maio, durante a Google I/O 2022.

A versão estável e definitiva deve chegar somente no quarto trimestre deste ano, entre os meses de outubro e dezembro. Antes dela, contudo, uma série de versões para testadores e desenvolvedores devem desembarcar para ajudar as pessoas a verem de perto o que o Google planeja para seu futuro.

Recursos do Android 13

Até agora, estas foram as novidades antecipadas sobre o Android 13:

  • Idiomas individuais para cada aplicativo
  • Permissão de tempo de execução para notificações
  • TARE: a economia de recursos do Android
  • Layout do relógio da tela de bloqueio
  • Suporte à tecnologia Bluetooth LE Audio
  • Suporte nativo para DNS over HTTPS
  • Pagamentos via NFC para múltiplos usuários

Idiomas do aplicativo (Panlingual)

Em vez de aplicar um único idioma para todo o sistema operacional, como ocorre hoje, os usuários poderão definir línguas específicas para cada app. Se quiser deixar a interface do Android em português e o Instagram em inglês, por exemplo, basta clicar no programa e definir o idioma desejado.

O recurso pode ser útil para quem gosta de praticar a leitura em múltiplas linguagens ou para quem deseja curtir a experiência original de cada programa. Em muitos jogos, você não consegue colocar em inglês ou japonês se o seu sistema for em português, algo que deve mudar a partir de agora. Tudo vai depender de quantos idiomas o desenvolvedor tiver disponibilizado para uso.

A adição terá o nome de Panlingual (ainda não dá para saber se manterão esse nome em português) e deve trazer mais versatilidade para a personalização dos telefones. Além de aparecer nas configurações do aplicativo, também deve ser configurado como uma nova opção dos “idiomas do aplicativo” nas configurações de “Idiomas e entrada”.

“Temporizador” para notificações

O Android 13 deve trazer um recurso para reduzir a quantidade de notificações dos telefones dos usuários a partir da definição de um “tempo de execução”. A ideia é criar uma permissão de quais horários um app poderá enviar notificações para o telefone, como algo que já existe para localização e acesso à câmera. Ainda não está claro quais os períodos serão liberados, mas o print mostra um contador semanal de alertas.

Quando se chegar ao limite definido pelo usuário naquele dia ou semana, o sistema operacional deixará de enviar os alertas para o usuário. Ainda não está claro se o recurso será apenas para novos apps instalados no Android 13 ou se aplicativos do sistema anterior também serão afetados pelas novas regras — mesmo que seja necessário configurar manualmente.

O fato é que essa adição deve diminuir bastante o spam nas dezenas de avisos que chegam na tela inicial dos celulares todos os dias, em especial de sites de vendas ou redes sociais, algo que pode realmente oferecer mais produtividade para a sua rotina.

TARE: The Android Resource Economy

O Google deve lançar uma melhoria para gerenciar melhor a utilização dos recursos do telefone com Android 13. A TARE, sigla para The Android Resource Economy, reduzirá o consumo de bateria a partir da gestão eficaz de políticas de alarmes e tarefas do aparelho.

Ao que parece, será uma forma evoluída do modo de economia de bateria que já existe, porém voltado para os aplicativos. Cada programa terá um limite de quantas tarefas poderá agendar por intermédio do JobScheduler e AlarmManager, dependendo do nível da bateria e das necessidades do app. Se a carga estiver baixa, é provável que alguns softwares funcionarão com limitações para evitar o descarregamento total da energia.

Ainda não dá para saber exatamente como isso vai funcionar, mas é provável que isso ajude prolongar a vida útil das baterias e fazer com que o usuário precise recorrer menos vezes ao dia a uma tomada.

Layout do relógio na tela de bloqueio

O Android 13 pode trazer uma nova configuração na tela de bloqueio para trocar a aparência do relógio exibido ali. Em vez de exibir o mostrador em duas linhas e centralizado na tela, como ocorre no sistema atual quando não há notificações, o telefone passaria a exibir o relógio sempre em uma linha única.

No Android 12, sempre que chega um alerta novo, a aparência do relógio é automaticamente alterada para o outro layout, independentemente da escolha do usuário. O Android 13 poderá, aparentemente, manter o layout de linha única de modo contínuo, com ou sem notificações.

Bluetooth LE Audio

A tecnologia Bluetooth Low Energy Audio (LE Audio) mantém a qualidade de áudio e transmissão ao custo de um menor consumo energético. A nova plataforma do Google aparentemente oferecerá suporte total à tecnologia como forma de garantir a elevada qualidade de streaming de áudio para fones de ouvido sem fios e aparelhos auditivos sem impacto severo no gasto de bateria.

O Bluetooth LE Audio trará maior vida útil para baterias e uma conexão mais estável, sem precisar ter a qualidade de áudio reduzida nos dispositivos móveis. Outra vantagem seria a possibilidade de parear mais de um fone de ouvido simultâneo, o que possibilitam que duas (ou mais) pessoas escutem a mesma música em um único aparelho celular ou tablet.

Desativar limitações do aplicativo em segundo plano

O Android 12 introduziu um novo limitador de aplicativo em segundo plano conhecido como PhantomProcessKiller, que serve para interromper processos que rodam no interior do sistema, sem que o usuário perceba, e causam consumo de RAM e uso de bateria. O problema desta adição é que ela faz tudo automaticamente, mesmo se o proprietário do telefone não quiser interromper os processos.

O Android 13 deve trazer uma versão aprimorada do “matador” para que as pessoas possam desativar ou ajustar esse recurso de limitação de uso em segundo plano. Essa novidade foi visualizada como um patch inserido no AOSP e traz um botão nas opções do desenvolvedor para desligar esse monitoramento.

Suporte nativo para DNS over HTTPS

Atualmente, o Android só oferece suporte para DNS over TLS, mais comumente conhecido como DoT. Uma mudança de código no AOSP sugere que, com o Android 13, o suporte para DNS over HTTPS (DoH) será adicionado como o padrão. A diferença entre os dois é a metodologia criptográfica usada: o DoT usa TLS para manter o tráfego DNS seguro, enquanto o DoH usa o já famoso HTTPs, comum em sites de comércio eletrônico ou que exigem cadastro do usuário.

Não é nada de tão excepcional, mas pode oferece um pouco mais de segurança para quem trafega na internet. Navegadores como o Google Chrome, por exemplo, já colocaram essa tecnologia embarcada há algum tempo — para Linux só chegou em março deste ano.

Pagamentos via NFC para múltiplos usuários

O Android suporta mais de um usuário há algum tempo em um único dispositivo, mas há restrições sobre o que os perfis secundários podem fazer. Hoje, por exemplo, não dá para fazer pagamentos com a tecnologia NFC — apenas a conta principal consegue.

O pagamento por NFC de usuários secundários era prometido para o Android 12, mas pode ter ficado para o 13 (Imagem: Reprodução/XDA-Developers)

Na versão 13, é provável que o sistema permita que os demais perfis cadastrados no telefone possam ter permissão para fazer pagamentos em suas contas individualizadas. Um código localizado no AOSP revela que isso será possível futuramente, assim os demais membros da sua família ou seus amigos poderiam efetuar compras somente com a aproximação do celular das máquinas de pagamento.

Quais celulares vão receber o Android 13?

Ainda é cedo para saber se o seu dispositivo será compatível com o Android 13, mas a companhia costuma adotar algumas práticas que, se não forem alteradas no meio do caminho, permitem entender como a lógica dos desenvolvedores funciona. Em geral, os telefones topos de linha de marcas renomadas têm boa chance de receber a atualização, principalmente se o aparelho tiver menos de dois anos de vida.

Com base em suas promessas de atualização, o Google atualizará oficialmente esses dispositivos para o Android 13 — eles devem ser os primeiros a receber a nova versão:

  • Pixel 6
  • Pixel 6 Pro
  • Pixel 5
  • Pixel 5a (5G)
  • Pixel 4
  • Pixel 4 XL
  • Pixel 4a
  • Pixel 4a (5G)

A Samsung é uma companhia que pretende manter o suporte técnico e as atualizações dos seus dispositivos por cerca de três anos, portanto é só você conferir o ano de lançamento do seu celular para saber se ele vai migrar. Uma companhia que segue um modelo parecido é a LG, mas a marca coreana costuma mudar as regras no meio da partida, então é impossível cravar uma previsão — lembrando que a empresa abandonou recentemente o mercado de celulares.

Outra marca que deve seguir rumo parecido é a OnePlus, portanto os dispositivos mais recentes da empresa devem ser atualizados para o Android 13.

O Pixel 6 é um telefone do Google que deve trazer o Android 13 em primeira mão (Imagem: @OnLeaks/Twitter)

No caso de fabricantes que possuem suas próprias modificações do Android, como a Xiaomi, tudo vai depender de como os desenvolvedores lidarão com os recursos do novo sistema. Nesses casos, é provável que muitos telefones recebam a atualização, ainda que leve alguns meses.

Os recursos listados fazem parte de vazamentos observados nas versões preliminares do Android 13. Detalhes mais concretos devem começar a tomar forma a partir de maio, quando ocorre a tradicional conferência anual de desenvolvedores Google I/O.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu