Oscar 2022 descobre que o fandom é mais forte que os trolls

Quando a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (AMPAS) anunciou que a premiação do Oscar 2022 contaria com uma categoria especial para filmes populares, em que o premiado seria escolhido por voto popular via Twitter, muita gente apontou que a competição seria inevitavelmente invadida por trolls, de modo a zoar a escolha. Afinal, exemplos não faltam.

O que ninguém esperava é que embora the zoeira never ends, mais fortes são os poderes do fandom, com inúmeros usuários votando em filmes para prestigiar seus artistas favoritos, independente da qualidade das películas. E os resultados preliminares têm sido… interessantes.

A ideia da Academia de um prêmio de Melhor Filme por Voto Popular não é nova. Ela foi aventada pela primeira vez para a premiação do Oscar em 2019, em uma época que o evento estava amargando níveis de audiência decrescentes, ano após ano.

A introdução de uma categoria em que o vencedor seria escolhido pelo público, algo que a MTV fez primeiro com o Movie Awards e o Video Music Awards (VMAs), serviria para apaziguar os fãs do cinema pipoca, que criticam o Oscar por sempre darem mais foco aos filmes “Academy-like”, mais dramáticos e menos populares, salvo raríssimas exceções uma ou outra vez (O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, por exemplo, vencedor de 11 Oscars em 2004, incluindo melhor filme).

A Academia estava de olho em filmes com uma arrecadação massiva, especialmente os baseados em HQs da Disney/Marvel e Warner/DC e alguns outros, especialmente Vingadores: Guerra Infinita, Aquaman, Missão Impossível: Efeito Fallout e cia., mas muito da atenção de concentrava mesmo em Pantera Negra, por ser o primeiro filme de super-heróis com um elenco majoritariamente composto por negros.

Porém, boa parte da crítica observou o movimento de criar uma categoria que poderia viabilizar um prêmio mais relevante ao filme de Ryan Coogler, como uma segregação velada, algo do nível de “separados, mas iguais”, que cria uma imagem bem ruim mal independente da intenção. Assim, a Academia colocou a ideia no gelo, até agora.

Semanas atrás a Academia anunciou que desta vez a votação popular vai acontecer, com uma experiência via site (apenas EUA) e Twitter, em que os usuários só precisar postar sobre seu filme favorito com a hashtag #OscarsFanFavorite. Os dados serão computados e o filme na liderança irá levar a estatueta para casa. Simples, não fosse um detalhe:

Votações populares com liberdade de escolha tendem a serem trolladas pelo público, vide o caso do drone marítimo Boaty McBoatface, ou da vez em que usuários do 4chan votaram em massa na Melhor Coreia como destino de um show do cantor Justin Bieber.

Exatamente por isso que a NASA tem pavor de votações abertas saindo do controle, toda vez em que abre para o público decidir um nome de planeta, satélite, etc., a agência estipula regras draconianas para sugestões, limitando as opções com base nos parâmetros astronômicos; por exemplo, corpos celestes recebem sempre nomes de mitos greco-romanos, e não adianta sugerir nada fora disso.

Quando o site Deadline apontou que o filme liderando a votação popular do Oscar é o criticado e fraco Cinderella, a versão do conto de fadas da Amazon Prime Video estrelada pela cantora e atriz cubana Camila Cabello, todo mundo pensou inicialmente em uma óbvia ação dos trolls, mas não foi o caso: o filme estaria indo bem na votação por pura força dos fãs.

Apesar de o filme não ter sido recebido muito bem, Camila Cabello possui mais de 12,7 milhões de seguidores no Twitter e mais de 60 milhões no Instagram, e esta turba estaria votando massivamente para garantir de que Cinderella leve o prêmio de Melhor Filme por Voto Popular. Isso não quer dizer que a turma da zoeira não esteja tentando alterar os números, mas eles simplesmente não conseguem impedir o fandom.

O segundo filme na disputa, segundo avaliação do Deadline, também está bem cotado devido aos fãs do ator principal. Minamata, filme estrelado e produzido por Johnny Depp, é baseado em uma história real, sobre o caso de um desastre ambiental na cidade japonesa de Minamata, na província de Kumamoto.

Depp interpreta o fotógrafo W. Eugene Smith (1918-1978), que expôs os casos de envenenamento por mercúrio na população da cidade, causado pela empresa química Chisso entre 1932 e 1968, um evento que teve repercussão mundial. Embora elogiado por crítica e público, e seja um filme com narrativa e estilo que agrada aos membros da Academia, Minamata foi sumariamente ignorado, talvez pelo fato de que Johnny Depp é hoje persona non grata em Hollywood.

Mesmo assim, Depp tem fãs suficientes para garantir uma colocação decente de Minamata na disputa por voto popular, embora este seja de fato um filme muito bom.

É muito provável que a Academia estava de olho em filmes com grande apelo ao público, blockbusters como Duna e Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa, e até mesmo Liga da Justiça: The Snyder Cut, que estaria na terceira posição segundo o Deadline, mas poucas coisas são mais difíceis de controlar do que uma votação popular com liberdade de escolha, se você quiser se manter fiel ao que o público decidir.

Agora, a Academia divulgou a primeira preliminar oficial da votação popular, com os 10 filmes liderando a disputa, mas sem determinar quem está na frente. Cinderella e Minamata estão presentes, assim como Duna e o filme do Aranha, O Esquadrão Suicida, Army of the Dead: Invasão em Las Vegas, a animação Sing 2 e Maligno, o mais recente filme de terror de James Wan.

Fecham a lista dois filmes que detêm indicações às categorias mais prestigiadas do Oscar, Ataque dos Cães (12 ao todo, incluindo Melhor Filme) e Tick, Tick… Boom! (Melhor Edição e Melhor Ator para Andrew Garfield).

De qualquer forma, descobriremos o fim desta tão inusitada disputa popular no dia 27 de março, quando a premiação do Oscar 2022 for realizada, e se a Academia manterá a categoria pelos próximos anos (eu não apostaria nisso).

Fonte: Deadline

Fonte feed: tecnoblog.net

Veja também