Ponto Nemo | Estação Espacial vai repousar no lugar mais isolado da Terra

O Ponto Nemo é considerado o local mais remoto da Terra. Esta região distante fica no Oceano Pacífico, a cerca de 2.688 quilômetros da terra firme mais próxima, e é tão isolada que costuma ser usada como destino de naves espaciais e foguetes que não operam mais. E é justamente para lá que a Estação Espacial Internacional (ISS) deverá ir quando encerrar suas atividades, no início da década de 2030.

Também conhecido como “Polo Oceânico da Inacessibilidade”, o Ponto Nemo fica a mais de 4.000 km do litoral da Nova Zelândia e mais de 3.200 km do norte da Antártida. Para você ter uma ideia do quão isolado é este local, saiba que os humanos mais próximos dele nem estão na Terra, mas sim a bordo da ISS, que orbita nosso planeta à altitude aproximada de 400 km.

O Ponto Nemo, conhecido como “polo oceânico da inacessibilidade” (Imagem: Domínio público)

O Ponto Nemo foi descoberto pelo engenheiro Hrvoje Lukatela que, em 1992, utilizou o programa Hipparchus, criado por ele mesmo, para tentar encontrar o local mais distante na Terra. Ele considerou que, como nosso planeta tem superfície tridimensional, o local mais remoto no oceano deveria estar a uma mesma distância dos litorais mais próximos. Como resultado, o Hipparchus identificou as coordenadas do local mais distante em relação às coordenadas dos outros três locais com terra firme equidistante.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Como encontrar o Ponto Nemo no Google Maps

O Ponto Nemo não é, exatamente, um local turístico. Mas, caso você queira fazer uma visita ao ponto mais remoto da Terra sem sair de casa, pode utilizar o Google Maps.

As coordenadas do Ponto Nemo são 45º52.6S, 123º23.6W. Então, é só inserir esse código na caixa de busca do Maps, teclando “enter” ou clicando no ícone de lupa em seguida.

O Ponto Nemo em visualização do Google Maps (Captura de tela: Canaltech)

Pois é, o Ponto da Inacessibilidade faz jus ao seu nome: ele fica bem no meio do Oceano Pacífico, a aproximadamente 2.680 quilômetros do norte do litoral da ilha Ducie (um atol desabitado que integra as ilhas Pitcairn, a ilha Moto Nui, na direção nordeste), e da ilha de Maher, no litoral da Antártida. A região habitada mais próxima fica a cerca de 2.700 km dali.

5 curiosidades sobre o Ponto Nemo

Um cemitério no oceano

Os operadores direcionam antigas naves e satélites para o “cemitério” no Pacífico Sul (Imagem: Reprodução/NASA)

O Ponto Nemo costuma ser usado por agências espaciais como um grande “cemitério espacial” para naves e estágios de foguetes que já não operam mais.

Quando encerram suas atividades, estes objetos podem ser perigosos para outros em órbita, principalmente se colidirem entre si mesmos ou com outros satélites e demais naves em órbita. Como são grandes demais para serem totalmente queimados na reentrada atmosférica, eles são direcionados para esta região ao caírem de volta na Terra, sem colocar pessoas ou construções em risco.

É possível que haja mais de 100 naves e equipamentos espaciais por lá — e, talvez, pode haver até mesmo fragmentos da antiga estação espacial Mir, desorbitada em 2001.

Som misterioso

Um som vindo próximo do Ponto Nemo intrigou pesquisaores; no fim, o ruído foi causado por um iceberg (Imagem: Reprodução/Rodrigo_Soldon/Flickr)

Durante a década de 1990, um ruído misterioso foi captado a menos de 2 mil km leste do Ponto Nemo. O som intrigante, apelidado “the Bloop”, era mais alto que aquele emitido por baleias azuis, e até rendeu especulações sobre a possibilidade de vir de algum animal marinho desconhecido.

Apesar de toda a empolgação entre os oceanógrafos, a National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA) descobriu que, no fim das contas, o som foi causado por um iceberg gigante rachando e se fraturando.

Há vida por lá?

Esquema das correntes do Giro do Pacífico Sul (Imagem: Domínio Público)

O Ponto Nemo fica dentro do giro do Pacífico, uma enorme corrente oceânica com águas estáveis, à temperatura de 5,8 ºC na superfície, que impede que águas mais quentes e ricas em nutrientes fluam para lá. Como a região é bem isolada, os ventos não levam muita matéria orgânica para lá, o que significa que há pouco alimento disponível — até o leito oceânico é desabitado.

Por outro lado, o Ponto Nemo fica perto do extremo sul de uma linha submarina de atividade vulcânica, onde há um ambiente de condições extremas propício à proliferação de bactérias.

O local mais remoto da Terra é poluído?

Um estudo publicado em 2013 revelou lixo a 2,5 mil km do Ponto Nemo (Imagem: Reprodução/Naja Bertolt Jensen/Unsplash)

Nunca houve amostras coletadas do Ponto Nemo propriamente dito, mas sim de seus arredores.

Durante a Ocean Race, a mais antiga e conhecida regata de todo o mundo, algumas embarcações participantes coletaram amostras de regiões “próximas” do local, e análises revelaram um resultado preocupante. As amostras continham de nove a 27 partículas de microplástico por metro cúbico. Portanto, sim, até mesmo o ponto mais remoto do planeta tem poluição.

De onde veio o nome do Ponto Nemo?

Ilustração do Capitão Nemo observando um polvo gigante, através da janela do submarino Nautilus (Imagem: Domínio público)

O nome “Ponto Nemo” pode até lembrar o peixinho da animação Procurando Nemo, da Pixar. Só que, na verdade, sua origem é um pouco diferente: o nome é uma homenagem ao Capitão Nemo, personagem do livro 20.000 Léguas Submarinas, do autor Júlio Verne. Outra curiosidade interessante é que a palavra “nemo” vem do latim e significa “nenhum homem”.

Fonte: Business Insider, Live Science, BBC, The Guardian, NOAA, The Ocean Race, NASA

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu