Preview Halo | Série dispensa tradições para focar nos conflitos humanos

Nos games, Halo é o precursor dos jogos de tiro em primeira pessoa como os conhecemos hoje e uma das principais marcas da Microsoft e de Xbox no mundo dos games. Em seu salto para uma nova mídia, a franquia tenta atingir novos mundos e, ao mesmo tempo, expandir uma história de mais de 20 anos e múltiplas sequências. Como toda adaptação desse tipo, o resultado é uma faca de dois gumes e um distanciamento nem sempre confortável.

O seriado que estreia no Paramount+ nesta quinta-feira (24), com nove episódios, tenta ser, ao mesmo tempo, uma recriação dos mitos e histórias da franquia de jogos e lançar um novo e diferente olhar sobre personagens consagrados. O herói Master Chief, interpretado por Pablo Schreiber (Orange is the New Black), é não só quem merece mais atenção, mas também o que mais sofre com isso.

O Canaltech teve acesso antecipado aos dois primeiros capítulos do seriado. Apesar do início forte, que chega a reproduzir de forma divertida alguns dos elementos dos jogos, logo percebemos que a ideia da série de Halo é apresentar um universo bem diferente, ainda que baseado nos títulos; nesse caminho, os produtores também mexem com algumas tradições e pontos fixos, às vezes realizando adições interessantes, mas, na maioria do tempo, como forma de pontuar decisões de roteiro que nem sempre fazem muito sentido.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O elefante foi tirado da sala logo no início, antes mesmo do lançamento. Com um ator relativamente conhecido no papel de Master Chief — afinal de contas, quem, ao assistir Orange is the New Black, não se lembra do asqueroso Bigode Mendez? —, é claro que o personagem, uma hora ou outra, tiraria o capacete. A aparência do protagonista, até hoje um segredo e uma marca imutável dos jogos, poderia contribuir para um dos momentos mais impactantes do show, como visto em O Mandaloriano, mas o resultado é exatamente o oposto.

Não apenas a revelação vem cedo demais, como também acompanha uma das tantas sequências que simplesmente não fazem sentido algum para um personagem com esse nível de combate militar e experiência em combate. Após uma série de colocações fortes de motivações, camadas em personagens e organizações políticas também com complexidade, surge o primeiro de muitos momentos em que o impacto serve apenas para justificar decisões ou conveniências de roteiro que soam meio esquisitas.

Por trás do visor

Cenas de ação de Halo chamam a atenção pelos efeitos práticos e também incluem referências a sistemas vistos nos games (Imagem: Divulgação/Paramount+)

O contraste entre o primeiro e o segundo episódio de Halo é tamanho que, nesta prévia, chega a ser difícil entender exatamente que tom o seriado deseja abordar. Uma batalha ferrenha entre Espartanos e os alienígenas Covenant no planeta Madrigal abre o show, com referências aos jogos em efeitos sonoros e imagens em primeira pessoa que simulam a jogatina. Master Chief pula bem alto, é amplamente habilidoso e versátil no combate com diferentes tipos de armas, bem como se espera dele.

Por trás desse primeiro combate estão diferentes aspectos de um conflito interplanetário. Madrigal sofre com a invasão Covenant, mas também tem suas rusgas com a UNSC, organização semelhante às Nações Unidas criada pela humanidade para atuar em toda a galáxia, interessada na exploração dos recursos naturais do planeta. A luta aqui, no final das contas, é pela liberdade, com o espectador rapidamente percebendo que os rebeldes são a parte mais fraca dessa corda.

Quan Ah (Yerin Ha), filha do líder da resistência, é a única sobrevivente de um ataque que a coloca em conflito direto com a própria criação. Ao mesmo tempo, ela aparece ao lado de Master Chief que, ao limpar o local da ameaça Covenant, acaba se deparando com um artefato que tem ligações diretas ao seu passado e acaba colocando em xeque sua existência enquanto soldado e, principalmente, a lealdade à UNSC que ele jamais escolheu, mas nunca soube que poderia ser diferente.

Personagem original de Charlie Murphy (Peaky Blinders) serve como ponto de maior interesse e mistério na série de Halo (Imagem: Divulgação/Paramount+)

O desconforto de John, como também é chamado por seus superiores, aparece nos diversos momentos em que o personagem está sem a máscara e, acredite, eles serão muitos. Enquanto isso, no comando central, dirigentes da NSC como a Almirante Margaret Parangosky (Shabana Azmi) e a Dra. Catherine Halsey (Natascha McElhone) tecem suas próprias tramas, envolvendo conflitos políticos interessantes; do lado Covenant, a inusitada presença humana de Makee (Charlie Murphy) também representa um dos tantos fios de roteiro que a série de Halo tenta criar.

Muitos deles são instigantes, mas todos sofrem com os mesmos diálogos clichês e atuações nem sempre inspiradas. Já nos dois primeiros episódios, e mesmo sem uma noção clara sobre se a série de Halo seguirá explorando temas mais humanos ou se voltará aos combates em algum momento, é possível imaginar para onde algumas tramas seguirão, já que muitos dos conflitos já foram vistos algumas vezes antes em produções do mesmo gênero.

Por outro lado, chama bastante a atenção, para um seriado de ficção científica baseado em vídeo game, a quantidade de efeitos práticos utilizados. Explosões, armas, lutas corporais e até grandes cenas de combate, como a primeira grande batalha em Madrigal, envolvem dezenas de figurantes e um cenário efetivamente construído, ainda que, novamente, decisões esquisitas sobre a inserção de CGI onde simplesmente não havia necessidade sejam tomadas.

Vale a pena assistir a série de Halo?

Série de Halo foca nas tramas pessoais e faz alterações que podem desagradar aos fãs, além de esvaziar o peso de um segredo muito bem guardado dos games (Imagem: Divulgação/Paramount+)

O foco em elementos de verdade é mais um indício de que Halo, mais do que a maioria dos games da série, é mais sobre os seres que fazem parte desse universo do que sobre o tiroteio que o transformou em ícone dos games. Os fãs vão torcer o nariz para muitas das mudanças e, principalmente, a concepção do Master Chief de Schreiber, que acaba se tornando o personagem mais interessante da produção, sim, mas não pelos motivos esperados.

Entre os bastidores de conspirações e experimentos nada éticos da USNC, tramas políticas interplanetárias e também dentro das próprias organizações e traições potenciais, se desenrola uma produção que parece ter menos interesse pelo dedo no gatilho e mais pelos seus personagens. É uma adição, sim, a um folclore estabelecido que mistura tecnologia, militarismo e misticismo, só que feita de forma nem sempre elegante.

Olho em Makee, personagem de Charlie Murphy (Peaky Blinders), que é original da série e parece ter potencial para virar o jogo, e menos foco no que há por trás da máscara de Master Chief, já que suas origens, aqui, parecem importar mais do que seu rosto. Resta saber, apenas, se mudar o jogo desta maneira e lidar com o resultado disso em meio à base de fãs vai gerar um resultado que vale a pena.

Halo estreia no dia 24 de março no serviço de streaming Paramount+. A série tem nove episódios e também traz, no elenco, nomes como Bokeem Woodbine (Fargo), Olive Gray (Rose) e Jen Taylor, que repete na série o papel de Cortana que já interpretou diversas vezes nos games.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu