Slitterhead e a nova leva de jogos de terror

Ontem (9/12) foi realizada o já tradicional The Game Awards e entre uma premiação ou outra, os organizadores do evento aproveitaram para revelar o desenvolvimento de alguns jogos. Entre eles, chamou a minha atenção a quantidade de jogos de terror que estão por vir, com aquele que considero o mais interessante atendendo pelo nome Slitterhead.

Atualmente em desenvolvimento pela Bokeh Game Studio, o nome pode não ser conhecido da maioria do público, mas os fãs da série Silent Hill certamente já ouviram falar em Keiichiro Toyama. Conhecido como o criador da adorada franquia, além ter ficado responsável pelo design dos cenários, ele assinou aquela produção como diretor e roteirista, cargos que viria a repetir em outro jogo bastante assustador, o Siren.

Toyama ainda trabalharia na série Gravity Rush e com tantos jogos de qualidade em seu currículo, havia uma grande expectativa para saber o que ele criaria após fundar um estúdio. A boa notícia é que o projeto agora tem um nome e uma cara, mas a julgar pelo trailer que foi mostrado no TGA deste ano, ainda teremos que esperar bastante para ter maiores detalhes sobre o Slitterhead.

Nele não foi mostrado uma data para o lançamento do jogo, muito menos como será sua jogabilidade. Porém, foi possível ver que o clima assustador estará presente e parte disso se deve aos terríveis monstros que estão sendo criados por Tatsuya Yoshikawa. Sendo o designer de personagens da série Devil May Cry, o que não deverá faltar em Slitterhead são seres com aparências marcantes.

Outro ponto que me agradou neste primeiro trailer foi a ambientação, com o enredo provavelmente se passando numa grande cidade asiática. Pois a escolha não parece ter sido ao acaso, já que recentemente Toyama falou sobre como gosta de criar histórias de terror que se aproximem da nossa realidade.

A visão que tenho do horror é a vida cotidiana sendo abalada. Ao invés de mostrar coisas assustadoras, ele deve questionar a nossa posição, nos fazer desafiar o fato de estarmos vivendo pacificamente. Gosto de trazer esses pensamentos aos meus conceitos… Eu gostaria que este fosse o tema do meu próximo jogo.

E para ajudar a aumentar um pouco a expectativa pelo Slitterhead, saiba que entre os participantes do desenvolvimento estão Junya Okura e Kazunobu Sato, profissionais que trabalharam em jogos como Gravity Rush, The Last Guardian e Puppeteer. Por fim, ter a trilha sonora sendo composta por Akira Yamaoka é algo que deve ser comemorado.

Já o outro título mostrado neste The Game Award e que merece destaque é o Alan Wake 2. Mesmo não sendo segredo que a continuação está sendo produzida com o financiamento ficando aos cuidados da Epic Games, ainda faltava o anúncio oficial e ao falar sobre o projeto, o diretor de criação Sam Lake deu uma dica do que podemos esperar.

Todo o trabalho duro nos trouxe até aqui. As estrelas se alinharam. Está acontecendo agora e sabemos que a comunidade está tão entusiasmada quanto nós para ver o próximo capítulo do Alan Wake se revelar. Alan Wake 2 é o nosso primeiro survival horror, um gênero que nos permite mergulhar mais fundo do que nunca em construir uma atmosfera intensa e uma história psicológica retorcida e cheia de camadas.

Por gostar tanto do primeiro capítulo e considerá-lo o “melhor jogo baseado numa obra do Stephen King que ele não escreveu”, obviamente sempre aguardei pelo retorno àquele fantástico universo. A parte ruim é que ainda teremos que esperar até 2023 para poder experimentar essa nova história, isso se não houver algum adiamento, o que é bem comum em projetos deste porte.

Por fim, tivemos ainda a revelação de que uma das franquias de terror mais icônicas do cinema será transformada em um jogo e estou falando de The Texas Chain Saw Massacre, que por aqui ficou conhecido como O Massacre da Serra Elétrica.

Em desenvolvimento através de uma parceria entre a Gun Media e a Sumo Digital, o que foi mencionado por enquanto é que ele será um jogo multiplayer assimétrico e a primeira coisa que vem à minha cabeça ao saber desta informação é num clone do Friday the 13th e do Dead by Daylight. Se isso se confirmar, podemos esperar um título onde um grupo de jogadores precisarão fazer o possível para fugir do Leatherface e me pergunto se realmente há espaço para outro título nesses moldes.

Mesmo com o novo jogo se valendo de um vilão tão marcante, não será por causa disso que me interessarei por ele e a minha esperança é de que as pessoas envolvidas na criação tenham alguma ideia que diferencie o título dos outros. Espero ser surpreendido no futuro, mas com este eu não fiquei muito empolgado.

Fonte feed: tecnoblog.net

Veja também

Menu