SSD PCIe 4.0 NVMe M.2 2280 Kingston Fury Renegade: pronto para o PS5 — Review

O Kingston Fury Renegade é o mais novo SSD M.2 2280 da fabricante de unidades de armazenamento, RAM e etc. Com interface NVMe PCIe 4.0 e velocidade de leitura sequencial de até 7.300 MB/s, ele foi desenvolvido tendo donos do PS5 como foco, especialmente para expandir o armazenamento do console, mas também atende bem os gamers de PC.

Embora ele entregue altas velocidades e tenha um curioso, porém eficiente método para dissipação de calor, os preços sugeridos das unidades com mais espaço, com 2 e 4 TB, estão bem acima da média praticada pela concorrência.

Ele vale o (alto) preço que pede? Eu testei o Kingston Fury Renegade por uma semana, tanto no PC quanto no PS5, e conto o que achei dele a seguir.

Nota de transparência

Desde 2004, o Meio Bit publica análises opinativas com o intuito de ajudar os leitores a tomarem sua própria decisão de compra, seja de um gadget, um game ou um serviço/software/app. Nós somos francos em nossas opiniões e destacamos pontos positivos e negativos de igual maneira, não importando a natureza dos produtos, de modo a manter a integridade e transparência do site.

Ninguém externo à redação do Meio Bit teve acesso a este review de forma antecipada, bem como não houve qualquer tipo de interferência, pagamento ou direcionamento da Kingston, ou de terceiros, em relação ao seu conteúdo.

O SSD Fury Renegade foi fornecido pela Kingston como doação e não será devolvido à empresa.

Design

O Kingston Fury Renegade não é muito diferente de outros SSDs M.2 2280. Ele tem praticamente o mesmo comprimento, a mesma interface de conexão, peso, etc. Claro que o Diabo está nos detalhes, e eles ficam evidentes assim que você o tira da embalagem.

Que é bem espartana, típico da Kingston.

Ao tirar o SSD da embalagem, você vai notar um “sanduíche” cobrindo os chips de memória do SSD, só que aquilo não é um adesivo. Este é na verdade um dissipador embutido, composto por alumínio e grafeno, material este que finalmente serviu para algo, além de ficar moscando em laboratórios.

O sanduíche foi desenhado de forma a prover o máximo de dissipação possível e dispensa, segundo o fabricante, o uso de acessórios adicionais. De fato, a Kingston não recomenda o seu uso, para evitar problemas entre ambos componentes e comprometer a dissipação de calor.

Esse design não é por acaso, ele foi levado em conta exatamente por ser voltado para instalação principalmente no PS5, que possui restrições quanto ao espaço disponível para a instalação do SSD. Consumidores devem ficar atentos quanto à altura do dissipador, para que ele entre e fique bem instalado na baia.

Com o dissipador embutido, o Fury Renegade se torna um acessório bem mais simples de ser instalado no console da Sony, e o espaço livre adicional ajuda na circulação de ar e controle das temperaturas.

No mais não há segredo nenhum. Se você quiser saber mais sobre diferenças de padrões, barramentos e protocolos, confira nossos reviews anteriores de SSDs, linkados no texto.

Performance

O Kingston Fury Renegade é um SSD desenvolvido tanto para o Glorious PC Gamer Master Race, quanto para os donos de PS5 que desejam expandir o espaço interno do console. Vejamos como ele se comporta em ambos cenários.

No PC

Graças a uma feliz coincidência, no momento em que eu recebi o SSD eu estava testando um notebook gamer (review sai em breve), que conta com duas entradas de SSD M.2. A primeira veio ocupada de fábrica, com a unidade que roda o SO e programas. A segunda, porém, estava livre

O processo de instalação foi bem simples, embora estranhamente o notebook não tenha como prender a unidade adequadamente. Há um parafuso, visível na foto abaixo, mas não o furo. Bizarro.

O grande problema é que no notebook em questão, o slot reserva não é PCIe 4.0, e sim 3.0. Assim sendo, as velocidades de leitura e gravação ficaram aquém das prometidas como padrão, por uma simples questão de compatibilidade.

Ainda assim, façamos os testes. Com o CrystalDiskMark Shizuku Edition, a melhor versão porque contém japinha, temos as seguintes marcas:

São 3.413 MB/s de leitura e 3.355 de gravação sequencial, e mesmo com o notebook agindo como um gargalo, ainda são bons números. As velocidades randômicas, por sua vez, não são lá tão geniais em PCIe 3.0, ficando abaixo das atingidas pelo WD Black SN750.

Por outro lado, o dissipador de grafeno/alumínio funcionou direitinho, com a temperatura não passando de 63º C mesmo forçando a unidade ao limite, e não dando nem o menor sinal de thermal throttling/estrangulamento térmico, cumprindo a promessa de operação em até 70º C no máximo.

Ainda assim, o notebook não colaborou e restringiu a performance do bichinho. Logo, resta testar o Fury Renegade no PS5.

No PS5

A novela da expansão do armazenamento interno no atual console da Sony se arrastou por meses. Originalmente, o console foi lançado com a porta M.2 desativada, e a liberou via update 10 meses depois.

O motivo para isso, seria dar tempo para as fabricantes parceiras apresentarem seus SSDs M.2 2280 compatíveis, que atendessem as especificações e com isso, fossem devidamente certificados, tendo o direito de usar o selo “Pronto para o PS5”, que afeta diretamente o preço final, normalmente mais alto do que concorrentes. É o mesmo que ocorre com a linha MFi de acessórios para produtos da Apple.

De fato, o Kingston Fury Renegade atende todas as demandas da Sony, sendo um SSD criado tendo em meta o público gamer, tanto o de PCs quanto o do console da Sony. A instalação é bastante simples, e em menos de 5 minutos, o console está pronto.

Uma vez que o SSD é instalado e o PS5 seja novamente ligado, o SO do console detecta a unidade e pede para formatá-la. Ao fim do procedimento, ele informa a velocidade de leitura verificada pelo hardware.

Aqui vemos a diferença entre PCIe 3.0 e 4.0: 6.557 MB/s de velocidade de gravação sequencial, um número que mesmo não alcançando o máximo de 7.300 MB/s prometido pela Kingston, está dentro dos parâmetros esperados para um SSD de sua categoria.

Nos testes de leitura realizados com o Fury Renegade, o game Final Fantasy VII Remake Integrade levou menos de 0,5 segundo para carregar um arquivo de save e abrir a tela de jogo. Contando a partir da dashboard, executando o ícone do game e selecionando o menu, o tempo total foi de 12,3 segundos. Ambas marcas são iguais às atingidas pelo SSD interno.

Tal performance similar é compreensível: ambas unidades de armazenamento são ligadas ao chip integrado do PS5 via barramento personalizado de 12 canais, além de um controlador PCIe 4.0 de quatro pistas. Assim, dá para dizer que o SSD da Kingston entrega a mesma performance da unidade interna.

Por fim, de novo não foi notado aumento significativo de temperatura, até porque como não há a necessidade de instalar um dissipador grande na pequena baia do PS5, o SSD tem espaço livre para “respirar”.

Conclusão

O PCIe 4.0 NVMe M.2 2280 Kingston Fury Renegade é um bom SSD, que atinge altas velocidades quando instalado em sistemas que suportam suas especificações. Ainda que ele tenha ficado aquém no PC disponível para testes, ele se comportou muito bem no PS5, ficando dentro dos limites esperados.

O dissipador embutido, embora pareça ser insuficiente, funciona muito bem e resistiu a testes forçando a unidade, não deixando a temperatura chegar perto do limite suportado pelo fabricante.

O grande problema é o seu preço, ao menos a partir da versão com 2 TB de espaço interno, a testada no review. Ela tem valor sugerido pela Kingston de R$ 5.251,70, bem mais alto que outros modelos de mesmas especificações, e que atendem as demandas do PS5. A com 4 TB? Preço sugerido de R$ 13.143,90.

O concorrente Sabrent Rocket 4 Plus, também com 2 TB e que alcança até 7.100 MB/s de leitura (menos que o da Kingston, mas acima do mínimo de 5.500 MB/s exigidos pela Sony), pode ser adquirido por R$ 3.800, e mesmo adicionando um dissipador do qual ele depende, que custa entre R$ 50 e R$ 100, o valor final não chega nem perto.

A briga fica mais justa entre os modelos com 1 TB de espaço, entretanto. Ainda que o da Kingston continue mais caro em relação ao da Sabrent, a diferença no preço é muito mais aceitável, levando em conta a velocidade de leitura superior do primeiro; já o WD Black SN850 de 1 TB da Western Digital, também pronto para o PS5, perde feio para ambos.

Para quem busca performance ou expandir o espaço interno limitado do PS5, o SSD PCIe 4.0 NVMe M.2 2280 Kingston Fury Renegade é uma boa opção, ao menos na versão com 1 TB de espaço interno, cujo preço não está fora da realidade. Se você precisa de uma unidade com 2 ou 4 TB, talvez seja melhor considerar outras opções.

SSD PCIe 4.0 NVMe M.2 2280 Kingston Fury Renegade — Ficha técnica

  • Modelo: SFYRD/2000G;
  • Formato: M.2 2280;
  • Interface: NVMe PCIe 4.0;
  • Capacidade: 2 TB;
  • Velocidade de leitura sequencial: 7.300 MB/s;
  • Velocidade de gravação sequencial: 7.000 MB/s;
  • Consumo de energia: 5 mW (inativo), 2,8 W (leitura, pico), 9,9 W (gravação, pico);
  • Temperatura: de 0º C 70º C;
  • Dimensões: 80 x 22 x 3,5 mm;
  • Peso: 9,7 g;
  • Durabilidade (TBW): 2 Petabytes (PB) de gravação;
  • Tempo médio entre falhas (MTBF): 1,8 milhão de horas;
  • Gravações de unidade por dia (DWPD): não informado.

Pontos fortes:

  • Totalmente compatível com o PS5;
  • Velocidades dentro do esperado;
  • Dissipador embutido funciona direitinho, dispensando acessório opcional.

Ponto fraco:

  • Os preços dos modelos com 2 e 4 TB estão bem, BEM altos.

Fonte feed: tecnoblog.net

Veja também