Terremoto “escondido” no Atlântico Sul gerou um tsunami global em 2021

Um terremoto que abalou o Atlântico Sul no ano passado, produzindo um tsunami global, na verdade se tratava de uma sequência de cinco abalos sísmicos, segundo novo estudo liderado pela Caltech. Um terremoto raso e “quase invisível” foi responsável por 70% da energia liberada pelo fenômeno.

Em agosto do ano passado, um terremoto de magnitude 7,5 abalou o Atlântico Sul. No entanto, o epicentro do tremor foi 47 km abaixo da superfície terrestre — profundo demais para produzir um tsunami em escala global, como aconteceu.

Além disso, houve uma ruptura de quase 400 km de extensão entre as placas tectônicas, o que deveria ter produzido um terremoto ainda maior. Os sismólogos ficaram intrigados com os sinais do terremoto e resolveram rever os dados.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Os pesquisadores descobriram então que o terremoto foi uma sequência de cinco tremores. O terceiro abalo, com magnitude de 8,2, foi o mais lento e ocorreu a apenas 15 km abaixo da superfície, mas ficou “escondido” entre os outros.

Até então, o terremoto estava ofuscado no emaranhado de ondas sísmicas daquela sequência, até que Zhe Jia, principal autor do estudo, ampliou o período de leitura para até 500 segundos.

O tsunami produzido pelo abalo sísmico percorreu mais de 10.000 km de distância (Imagem: Reprodução/NOAA)

Foi quando Jia descobriu o terremoto que durou 200 segundos foi responsável por mais de 70% de toda a energia liberada durante a série de abalos sísmicos. “O terceiro evento é especial porque foi enorme e silencioso”, acrescentou.

Prevendo riscos de um terremoto

Prever as consequências de um terremoto como esse é um desafio complexo. O abalo no Atlântico Sul produziu um tsunami que atingiu costas até 10.000 km de distância, embora as ondas não tenham passado de 75 centímetros de altura.

O terceiro tremor foi o mais longo e ficou ofuscado pelos outros (Imagem: Reprodução/Zhe Jia/AGU)

Os pesquisadores acreditam as descobertas indicam como os atuais sistemas de alerta de terremotos e tsunamis precisam ser atualizados. Para salvar a população costeira, é necessário ampliar a leitura sísmica.

Atualmente, a maior parte dos sistemas de monitoramento se concentram em períodos curtos e médios de ondas sismológicas, mas o novo estudo demonstra como os eventos mais longos podem conter informações importantes.

A equipe espera que seu trabalho contribua para o aperfeiçoamento dos centros de monitoramento de terremoto e tsunamis, de modo que possamos prever esses eventos com rapidez e total dimensão.

O estudo foi apresentado na revista Geophysical Research Letters.

Fonte: Geophysical Research Letters, AGU, Via ScienceAlert

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu