Veja 6 dicas para empreendedores novatos criarem boas tecnologias

Empreender no Brasil pode ser difícil, e empreender em tecnologia parece ainda mais complicado. Afinal, é uma área onde deter uma boa quantidade de conhecimentos técnicos é fundamental para o sucesso da operação, sem falar nos recursos envolvendo determinados aparelhos. Mas algumas dicas, como concentrar-se no design do programa e permitir a integração dele a outras plataformas, ajudarão no sucesso da empreitada.

A área de TI tem bastante potencial no Brasil, desde que o executivo atente a problemas comuns cometidos pelas empresas, como exigir conhecimentos avançados dos desenvolvedores mesmo em posições júnior, sobrecarga de trabalho sem o devido aumento de salário ao profissional; e criar um ambiente com pouca motivação.

De acordo com um relatório da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) em parceria com o Sebrae e o Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBPQ), o número de brasileiros que não têm um negócio mas desejam abri-lo nos próximos três anos aumentou 75% em 2020, chegando a 50 milhões de pessoas.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

As seis orientações abaixo para empreender com tecnologia são de João Moressi Júnior, fundador e CEO da Opah IT, consultoria que desenvolve soluções de software para outras companhias.

Defina um conjunto claro de regras para sua futura tecnologia (Imagem: Reprodução/lmonk72/Pixabay)

Busque um design sólido

Evite projetar algo sem propósito. Antes mesmo de iniciar o rascunho do sistema ou aparelho desejado, tenha um conjunto claro de regras estabelecidas e o que esperar deles. “O empreendedor deve ter claro o que ele deseja que o produto alcance e evoque no usuário. Ter essas respostas ajudam a refinar o projeto”, orienta Moressi Júnior.

Pense como seu público

Mesmo os melhores produtos não serão usados por todo mundo, então tente imaginar quem você, empreendedor, gostaria de ter como público-alvo. O que querem e do que gostam essas pessoas? Como seus sistemas podem despertar o interesse delas? É importante ter em mente as necessidades e problemas dos potenciais compradores, pois são eles que vão decidir o sucesso do produto.

Crie designs inclusivos desde o início

Mesmo que o seu produto seja projetado para ser usado por um certo grupo de pessoas, tente torná-lo o mais acessível possível a todos os grupos. A Microsoft, por exemplo, tem um conjunto de diretrizes de design que podem ser úteis para qualquer empreendedor. Outra alternativa é procurar designers de TI mais experientes e extrair dicas deles.

Pense na integração com outros sistemas

A tecnologia está em todo lugar hoje em dia, então planeje a integração com a tecnologia existente o máximo possível. Se for um aparelho físico, considere formas de torná-lo parte da internet das coisas, um mercado que deverá ficar imenso no Brasil após a popularização da conexão 5G. Se for um programa, pense na possibilidade de fazer uma boa API, sigla para interface de programação de aplicações. É um tipo de “ponte” na qual duas plataformas distintas podem acessar certos dados e recursos umas das outras.

Ouça vários tipos de profissional

Os designers de produto não serão capazes de responder a todas as suas perguntas sobre funcionalidade. Consulte vendedores, engenheiros de software e de hardware, profissionais de marketing e outros profissionais que possam se envovler na cadeia de produção do produto ou programa.

Mantenha tudo escalonável

Desde o planejamento, garanta que seu produto possa atender a diferentes cenários e dimensões de público, de 100 a 100 milhões de pessoas, com o potencial de ajustar a produção quando necessário, com agilidade e poucos recursos. É o que chamamos de escalabilidade, um grande fator de sucesso de uma startup.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também