Vítimas da covid apresentam alterações moleculares que remetem ao Alzheimer

Em um estudo publicado na última quinta (3) na revista The Journal of the Alzheimer’s Association, cientistas da Columbia University (EUA) relataram que, ao analisar cérebros de pessoas que morreram por covid-19, encontraram algumas alterações moleculares semelhantes às que costumam aparecer nos cérebros de pessoas com Alzheimer.

Quando passou a se falar muito de névoa mental, os pesquisadores se concentraram em investigar como moléculas chamadas receptores de rianodina poderiam ser afetadas pela covid-19. Acontece que os danos nesse receptor costumam resultar em diversas consequências, que vão desde doenças cardíacas e pulmonares até a resposta do cérebro ao estresse.

Mas, acima de tudo, esses receptores defeituosos também já foram associados a um aumento na proteína tau fosforilada, um biomarcador relacionado ao Alzheimer. No estudo, os cientistas encontraram receptores de rianodina defeituosos nos corações, pulmões e cérebros das pessoas que morreram de covid, além de altos níveis de tau fosforilada.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

A descoberta sugere que a tau fosforilada nos pacientes com covid-19 pode ser um sinal de Alzheimer em estágio inicial e também contribuir para outros sintomas neurológicos observados em pacientes com COVID-19.

Vítimas da covid apresentam alterações moleculares que remetem ao Alzheimer (Imagem: Aew/Rawpixel)

A teoria dos autores do artigo é que a resposta imune característica da covid-19 em sua forma grave causa inflamação no cérebro, que por sua vez leva a receptores disfuncionais de rianodina e, em seguida, aumenta a tau fosforilada. Outra interpretação é que pacientes que tiveram covid grave sejam predispostos a desenvolver Alzheimer mais tarde na vida. De qualquer forma, os próprios pesquisadores reconhecem que outros estudos são necessários até que se chegue a uma conclusão sobre isso.

Fonte: The Journal of the Alzheimer’s Association

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também