Yahoo Mail não vai mais funcionar na China devido a restrições de uso de dados

Em novembro de 2021, o Yahoo havia anunciado sua saída da China com a promessa de que manteria alguns de seus serviços, como o Yahoo Mail. Entretanto, a plataforma anunciou no último sábado (26) que não prestará mais serviços no país.

A empresa informou em um comunicado que o Yahoo Mail ficaria disponível até o dia 28 de fevereiro deste ano e que os usuários poderiam baixar contatos de backups, calendários e outros dados antes do prazo final.

O motivo da saída do Yahoo Mail do mercado chinês não foi divulgado pela empresa com sede em Sunnyvale, Califórnia, porém a big tech enfatizou que a plataforma permanecerá disponível para usuários fora da China continental.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O Yahoo Mail anunciou que não estará mais disponível a partir do dia 28 de fevereiro (Imagem: Reprodução/Yahoo)

Muitos dos produtos e serviços do Yahoo não são mais acessíveis no país — como o aplicativo de previsão do tempo e a página de notícias do Yahoo, bem como a versão chinesa do seu blog de tecnologia de consumo, Engadget.

A empresa entrou na China em 1999 e foi adquirida pelo Alibaba em agosto de 2005. Porém, após alguns anos no mercado chinês, o Yahoo não vê mais o país como um lugar com oportunidades de expansão.

Os visitantes chineses do site do Yahoo agora verão uma mensagem informando que seu conteúdo não está mais disponível. Algumas pessoas lamentaram o fim dos serviços do Yahoo no país. “Este é o fim de uma era, e parece que nossa geração está sempre ‘testemunhando a história’”, disse um usuário do Weibo, uma versão chinesa do Twitter.

Yahoo sai da China

Seguindo os passos de outras grandes empresas de tecnologia, como a Microsoft e o Google, o Yahoo também anunciou em novembro do ano passado que sairia da China devido à crescente repressão do governo comunista sobre a quantidade de dados que as empresas estrangeiras, sobretudo as norte-americanas, podem coletar.

Com o aumento das regulamentações de dados e privacidade do usuário mais rígidas na China, as empresas têm enfrentado muitas dificuldades no mercado chinês. No ano passado, o LinkedIn já havia mencionado que a China oferecia “um ambiente operacional significativamente mais desafiador e maiores requisitos de conformidade”, quando anunciou sua saída do país.

A Lei de Proteção de Informações Pessoais, a Lei de Segurança Cibernética e a Lei de Segurança de Dados forneceram ao governo chinês uma série de ferramentas para limitar o fluxo de dados para o exterior e manter os dados dentro do país.

As leis chinesas estipulam que as empresas que operam no país devem entregar os dados caso as autoridades do país solicitem — fator que dificulta a operação das empresas ocidentais na China, pois também podem enfrentar pressão no próprio país por ceder às exigências das autoridades chinesas.

Fonte: SCMP

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu