Gran Turismo 7, o caça-níqueis da Polyphony Digital

Chegando ao PlayStation 4 e PlayStation 5 com a pesada responsabilidade de levar a série de volta às suas origens, o Gran Turismo 7 foi bastante elogiado pela crítica especializada, mas há ao menos um elemento do jogo que tem deixado muitos jogadores irritados: o seu modelo de monetização.

Num jogo que se vende como uma homenagem à cultura automobilística, era de se esperar que teríamos a vida um pouco facilitada quando se tratava de podermos pilotar diversos bólidos, mas infelizmente a ganância da Sony parece ter falado mais alto.

Assim como muitos títulos hoje em dia, a criação da Polyphony Digital não se envergonha de tentar esvaziar nossas carteiras e assim que ele chegou às lojas, começaram as reclamações pelos valores cobrados para desbloquearmos alguns carros. Variando de R$ 13,50 (100 mil créditos) até R$ 104,90 (2 milhões de créditos), os pacotes até poderiam render uma boa quantidade de carros, mas a “inflação” imposta pela editora fez com que o nosso dinheiro perdesse muito poder de compra.

Um exemplo disso pode ser visto no Porsche 919 Hybrid 16, veículo que no Gran Turismo Sport era vendido por cerca de R$ 15, mas que no Gran Turismo 7 nos custará 3 mil créditos. Isso quer dizer que os interessados precisarão comprar dois pacotes de 2 mil créditos, fazendo com que o carro saia por pouco mais de R$ 157.

Há ainda casos mais absurdos, como o Aston Martin Vulcan ’16 e a McLaren P1 GTR ’16. No jogo anterior da Polyphony Digital, ambos custavam aproximadamente R$ 25, mas neste o valor do primeiro subiu para 3,3 mil créditos, com o segundo custando 3,6 mil créditos, o que significa termos que gastar R$ 226,20!

Tais valores já seriam considerados muito altos pela maioria das pessoas, mas há um detalhe que torna a situação ainda mais revoltante: o preço do próprio Gran Turismo 7. Para quem for jogar no PlayStation 4 será preciso despejar R$ 299,90 na sua compra. Já os interessados em ter uma cópia que também rode no PlayStation 5 precisarão gastar mais, com o valor saltando para R$ 349,90. Prefere a Edição Deluxe (que dá um carro, 30 avatares, a trilha sonora e 1,5 milhão de créditos)? Sem problema, basta investir R$ 449,50.

Alguém poderá defender a Sony dizendo que não somos obrigados a gastar um centavo para termos acesso aos carros, afinal eles podem ser adquiridos com as premiações que conquistamos correndo. O problema é que apesar de isso ser verdade, o aumento vertiginoso no preço de alguns veículos no Gran Turismo 7 não deixa muita dúvida de que a empresa estava decidida a nos empurrar em direção às microtransações.

Conseguir uma quantidade tão alta para adquirir um desses carros mais valiosos exige várias e várias horas de dedicação e embora eu concorde que um superesportivo não pode ser tão facilmente adquirível quanto um carro popular, não consigo ver diversão em sermos forçados a passar por um grind tão violento quanto esse.

Contudo, aquilo que já parecia muito ruim quando o jogo foi lançado, conseguiu se tornar bem pior. Percebendo que algumas pessoas estavam aproveitando algumas provas para ganhar créditos de maneira mais rápida, a Polyphony Digital lançou uma atualização que visa acabar com a festa.

Com isso, algumas corridas tiveram suas premiações cortadas significativamente e se antes era difícil nos mantermos motivados a continuar jogando para adquirir os carros lendários sem precisar colocar a mão no bolso, agora será preciso muito mais tempo e dedicação.

Para ilustrar melhor a situação, saiba que exceto pelas provas World Touring Car 800: 24 heures du Mans Racing Circuit e World Touring Car 800: Monza Circuit, cujos prêmios saltaram de 5 mil para 70 mil créditos, as reduções passaram a ser as seguintes:

  • World Rally Challenge: Alsace Village — 50.000 Créditos | 30.000 Créditos
  • Dirt Champions: Fisherman’s Ranch — 65.000 Créditos | 30.000 Créditos
  • Dirt Champions: Sardegna Windmills — 65.000 Créditos 40.000 Créditos
  • Dirt Champions: Colorado Springs Lake — 65.000 Créditos | 40.000 Créditos
  • GT Cup Gr. 4: High-Speed Ring — 65.000 Créditos | 35.000 Créditos
  • GT Cup Gr. 4: Brands Hatch GP Circuit — 65.000 Créditos | 45.000 Créditos
  • GT Cup Gr. 3: Spa Francorchamps — 75.000 Créditos | 50.000 Créditos
  • GT Cup Gr. 3: Suzuka Circuit — 75.000 Créditos | 50.000 Créditos
  • GT Cup Gr. 3: Autodrome Lago Maggiore — 75.000 Créditos | 50.000 Créditos
  • Clubman Cup Plus: High Speed Ring — 35.000 Créditos | 25.000 Créditos
  • Clubman Cup Plus: Tsukuba Circuit — 35.000 Créditos | 25.000 Créditos
  • Clubman Cup Plus: Goodwood — 35.000 Créditos | 12.000 Créditos
  • American Clubman Cup 700: Special Stage Route X — 30.000 Créditos | 15.000 Créditos
  • American FR Challenge 550: Blue Moon Bay Speedway — 15.000 Créditos | 10.000 Créditos
  • American FR Challenge 550: Weathertech Raceway Laguna Seca — 15.000 Créditos | 10.000 Créditos
  • American FR Challenge 550: Willow Springs Raceway — 15.000 Créditos | 10.000 Créditos

Talvez aqueles que conseguirem adquirir os veículos mais caros do Gran Turismo 7 apenas jogando tenham alguma satisfação, afinal o trabalho será árduo e tais pessoas vejam o fruto de seu esforço como motivo de orgulho. O que fico pensando é como essa pessoa se sentiria após dedicar várias horas para montar uma garagem de respeito e visse que outro jogador conseguiu o mesmo em segundos, simplesmente por não ver problema em torrar o limite do cartão de crédito.

Eu até concordo com a ideia de que quanto mais opções tivermos, melhor. Nem acho que seja um problema a empresa garantir acesso a um carro ou personagem mediante um pagamento, mas a partir do momento em que para aumentar seu lucro ela começa a prejudicar a diversão daqueles que só querem jogar, não consigo defender a prática.

Tudo bem, existe ainda um possível atenuante de que esses carros raros entram em promoção de tempos em tempos, mas a verdade é que isso não passa de um incentivo a adquirirmos mais créditos, com os jogadores que não possuem a quantia necessária sendo levados a gastar por saberem que tão cedo não terão outra oportunidade como essa.

Uma estratégia tão rasteira como essa costuma me fazer perder o interesse por um jogo e mesmo gostando bastante da série, saber o que a Sony e Polyphony Digital tem feito com o Gran Turismo 7 me fez perceber que o melhor talvez seja esperar um pouco antes de adquiri-lo. Mesmo porque, além de toda essa questão envolvendo a progressão na campanha e as microtransações, há ainda o fato de o título só poder ser jogado ao estarmos online, o que infelizmente nos leva a problemas como ele ficar várias horas indisponível devido a seus servidores estarem passando por manutenção.

Fonte: Push Square

Fonte feed: tecnoblog.net

Veja também

Menu