Neurônios específicos acendem no seu cérebro quando você ouve alguém cantar

Já sabemos que a arte pode “esculpir” e até “acariciar” o cérebro humano, mas um estudo publicado na revista científica Current Biology apontou que neurônios específicos do córtex auditivo se acendem quando ouvimos alguém cantar. Segundo o artigo, conduzido por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT), esses neurônios podem distinguir entre fala comum ou instrumentais sem vocais.

Todo o projeto de pesquisa teve início em 2015, quando os pesquisadores investigaram a relação entre a música e o cérebro humano usando ressonância magnética. Na ocasião, descobriram que quando uma pessoa compõe, os neurônios de áreas visuais e motoras são usados ​​para melhorar a conectividade entre duas áreas-chave do cérebro: o córtex cingulado anterior (associado à emoção), e a rede de modo padrão (que remete a memórias, ou imaginações do futuro).

O novo estudo leva a pesquisa um passo adiante: os pesquisadores registraram a atividade cerebral que ocorre em resposta a estimulantes externos. “Há uma população de neurônios que responde ao canto e, muito próxima, há outra que responde ao instrumental. Elas estão tão próximas que é quase impossível separá-las”, aponta o estudo.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Neurônios específicos acendem no seu cérebro quando se ouve alguém cantar e quando se ouve um instrumental (Imagem: iLexx/envato)

Ao combinar esses dados com os do estudo anterior, os pesquisadores conseguiram identificar com mais precisão as localizações desses neurônios que acendem em resposta ao canto. No entanto, o método destaca a dificuldade de se fazer uma pesquisa como essa, uma vez que o procedimento é invasivo, com direito a inserção de eletrodos diretamente na superfície exposta do cérebro por meio de uma incisão no crânio. Normalmente, a técnica é usada para determinar a origem das convulsões de um paciente.

Agora que já se tem uma noção da relação entre o canto e esses neurônios, os neurocientistas pretendem aprender mais sobre a causa dessa ativação. Outro ponto que deve ser foco de futuras pesquisas é o desenvolvimento dessas áreas específicas.

Fonte: Current Biology 

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.

Fonte feed: canaltech.com.br

Veja também

Menu